Sugestões para oferecer ou para ler...


sábado, 29 de Novembro de 2008

TARTE DE ROMÃS

Tenho uma relação de amor/ódio com as romãs: adoro comé-las mas detesto descascá-las.
Quem as costuma descascar é o Sr. Risonho, que com a sua grande paciência vai colocando os bagos numa taça, para lhes juntar açucar e vinho do Porto.
E eu, se o apanho distraído, jogo as mãos à taça e disfarçadamente roubo uns baguitos para comer, mas quase sempre sou apanhada com a "mão na massa" e levo uma palmada para não me armar em esperta... LOL!
Há dias tínhamos comprado umas romãs que não eram muito doces. Como tinha visto esta receita de tarte na revista "Saúde à Mesa" do passado mês de Outubro resolvi arriscar a fazer.
Ficou uma tarte diferente, saborosa, muito bonita à vista. e com poucas calorias Apenas teve dois problemas:
1º Usei massa folhada do LIDL e uma vez mais fiquei desiludida com esta massa, não fica com a consistência que eu gosto
2º Enquanto preparava a tarte comi a romã, o que fez com que quase não tivesse fruta para decorar a tarte... eh eh eh!
1 rolo de massa folhada
2 romãs
1l de leite magro
1 colher de chá de baunilha líquida
4 gemas
3 colheres de sopa de adoçante para culinária
2 colheres de sopa de Maizena
7 folhas de gelatina
2 colheres de sopa de compota de framboesa light
Ligue o forno a 180º. Forre uma forma de tarte com a massa, pique o fundo com um garfo, cubra com papel vegetal e encha com feijão seco. Leve ao forno durante 25 minutos e depois retire o feijão e o papel e deixe arrefecer.
Entretanto descasque as romãs e separe os grãos, eliminando as peles brancas (tarefa do Sr. Risonho). Leve ao lume o leite com a baunilha e deixe aquecer bem. Misture as gemas com o adoçante e a Maizena. Coloque a gelatina a demolhar em água fria.
Misture o preparado das gemas com o leite quente, em fio e sem parar de mexer.
Coloque a mistura num tacho e leve ao lume, mexendo sempre até ferver.
Retire, incorpore a gelatina escorrida e mexa bem até que se dissolva. Deixe arrefecer.
De seguida misture metade dos grãos de romã e misture delicadamente.
Coloque dentro da tarteira e espalhe. Leve ao frio até ficar bem solidificada e, antes de servir, misture o resto da romã com a compota e espalhe sobre o recheio da tarte.
Sirva bem fresco.
Fica uma tarte linda, não fica??? Só foi pena a gulosa ter comido tantos bagos de romã... LOL!
Informação nutricional da revista:
Dose para 7 pessoas
Calorias por dose = 291Kcal
Interesse Nutricional: rica em amido e cálcio

sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

PÃEZINHOS DE POLVILHO COM QUEIJO

Um dos blogs que me deixam sempre encantada é o blog da nossa querida Marizé, pois ela tem o condão de me surpreender com as suas receitas simples, sempre com um toque de requinte.
E cada vez que eu visito o seu cantinho fico sempre a babar, normalmente é mais uma receita que anoto na minha (longa) lista de receitas a fazer.
Há cerca de 8 meses que a Marizé publicou esta receita, que por sua vez tinha tirado do blog da Neide, e desde essa altura que, de vez em quando, me vinham ao pensamento estes pãezinhos.
Numa tarde fria, estando eu em casa, resolvi que não passava nem mais um dia sem eu provar esta delícia.. e como sou muito gulosa fiz a receita a dobrar.
1 chávena de leite
1/2 chávena de azeite
2 ovos
2 chávenas de polvilho doce
4 colheres de sopa de parmesão ralado na hora
uma pitada de sal
alecrim e flor de sal para perfumar
* a chávena utilizada tem a capacidade de 200ml

Colocar tudo no liquidificador (menos o alecrim e o sal) e bater até ficar homogéneo (fica uma massa líquida).
Deitar em formas de queques, não untadas, até 1/3 da sua capacidade.
Polvilhar com folhas de alecrim picadas e flor de sal.
Levar ao forno a 180º durante 20 minutos.
Fácil, rápido e sem complicações. Um petisco ideal para uma tarde fria...

quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

LOMBOS DE PESCADA COM MOLHO DE MARISCO

Peixe é algo que é sempre bem vindo cá em casa, não vivéssemos nós numa vila piscatória.
Mas por vezes o membro mais novo da família queixa-se das espinhas.
Por isso lombos de pescada são sempre uma boa solução.
Quando vi
esta receita no blog da Conceição achei logo que era o ideal para a minha filhota, pois ela adora lombos de pescada e gosta bastante do sabor de marisco.
Pus mãos à obra, alterei um pouco a receita e fiz um jantar delicioso e muito rápido.

Lombos de pescada temperados com sal e sumo de limão
3 colheres de sopa de creme de marisco
3dl de leite

Num tachinho colocar o leite e o pó de creme de marisco.
Misturar com a vara de arames de modo a não ficar com grumos (juntei um pouco do líquido da marinada). Levar ao lume até engrossar e ficar um creme espesso.
Num pirex colocar um pouco do creme, o peixe e por cima o restante creme (cobri com quadradinhos de queijo e polvilhei levemente com oregãos).
Levar ao forno a gratinar por cerca de 20 minutos.
Acompanhei com puré de batata que é uma coisa que a minha piolha adora.

quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

FEIJOADA DE POLVO

Tempo frio...
Um polvo no congelador...
Feijão na despensa...
Convidados para almoçar em casa...
Digam lá se com estes argumentos não dá mesmo vontade de fazer uma feijoada de polvo com um arroz branco a acompanhar?
Deve haver várias maneiras de confeccionar este prato, mas eu fiz assim:
Cozi previamente o polvo na panela de pressão juntamente com 1 cebola e 2 cravinhos. Retirei o polvo, parti-o em pedaços e reservei a água da cozedura.
Numa panela à parte fiz um refogado com cebola, alho, tomate maduro em pedaços, vinho branco, azeite, um pouco de margarina, louro, cravinho em pó e pimenta.
Deixei apurar bem e juntei cenoura e chouriço em rodelas.
Após estufar um pouco deitei os pedaços de polvo e um pouco da água onde o mesmo foi cozinhado.
Deixei ao lume para cozinhar mais um pouco e juntei 2 latas de feijão branco.
Ficou em lume brando a apurar para ficar com aquele molhinho grosso (ideal para molhar o pão) e na altura de servir polvilhei levemente com coentros picados.

Foi acompanhado com arroz branco, cozinhado no microondas desta forma:
Lavei uma chávena de arroz e coloquei num pirex.
Juntei água até ficar com um dedo de altura por cima do arroz,, temperei com sal e um fiozinho de óleo e levei ao microondas, tapado com película aderente (furada com um garfo) por 12 minutos.
No final mexi com um garfo para soltar os grãos de arroz.
Com este tempo invernoso não apetece mesmo estas comidinhas???

terça-feira, 25 de Novembro de 2008

MOUSSE DE CHOCOLATE COM LEITE CONDENSADO

Vi esta sobremesa no blog da Janeca, que por sua vez a tinha visto no blog da Nani... E só vos digo que esta é daquelas receitas que facilmente correm toda a blogosfera: é fácil e rápida de fazer, não leva muitos ingredientes e fica muito boa.
Para mim só tem um senão: na minha opinião fica doce demais, por isso acho que da próxima vez que a fizer vou usar mais um pacote de natas, para cortar o doce.
Mas nem vos conto... até a Pucca e o Garu ficaram deliciados com esta mousse, montaram guarda às taças e quase que nem nos deixavam provar... eh eh eh!
2 pacotes de natas
1 lata de leite condensado
1 pacote de bolacha maria triturada
2 pacotes de mousse de chocolate instantânea (feita com leite)
Fazer a mousse como indicado na embalagem e reservar.
Bater as natas em chantily e juntar o leite condensado, envolvendo bem.
Numa taça grande dispôr uma camada de mousse, uma camada de bolacha maria triturada, uma camada de natas com leite condensado e uma camada de bolacha triturada.
Ir fazendo esta operação até se acabarem os ingredientes, sendo que a última camada deverá ser de natas (finalizei a decoração com algumas granjeias coloridas, bolacha ralada e um toque de amêndoa moída).
Levar ao frigorífico pelo menos por 6 horas, ou preferencialmente de um dia para o outro.
Servir bem fresca.
Esta foi feita numa taça grande e fiz duas taças pequenas para oferecer.
Deliciosa... no entanto, volto a dizer, um pouco doce demais para meu gosto....

sábado, 22 de Novembro de 2008

OSSOBUCO DE NOVILHO COM VINHO MADEIRA

Segundo as investigações que fiz na nossa preciosa ajudante, que dá pelo nome de "Wikipedia", o Ossobuco é um prato tradicional italiano da região da Lombardia, em especial da cidade de Milão.
O nome deste chambão (que pode ser de vitela ou de novilho) significa literalmente "osso com buraco", pois no norte da Itália o chambão é cortado em rodelas juntamente com os ossos.
Cada rodela apresenta no centro um bocado de osso em forma de tubo (o dito osso com buraco) e nesse buraco encontra-se o tutano, que não deve ser retirado.
Segundo as tradições italianas as rodelas de chambão deverão ser fritas em óleo ou manteiga.
Mas eu preferi cozinhá-las de uma maneira muito mais portuguesa e usando um produto que temos que enriquece todos os pratos onde é adicionado: o vinho Madeira.
Que me perdoem os italianos por ter deturpado a forma de cozinhar o ossobuco, mas eu prefiro muito mais assim...
Na panela de pressão colocar 2 dentes de alho laminados, 1 cebola grande picada, 2 tomates maduros em pedaços, sal, pimenta, um cravinho, azeite, um pouco de margarina e um ramo de coentros.
Deixar apurar um pouco e juntar o ossobuco e 2dl de vinho Madeira. Tapar a panela e assim que levantar pressão deixar cozinhar por 10 minutos.
Retirar a pressão (colocando a panela debaixo de um jacto de água fria), deitar mais um pouco de água se necessário e adicionar batatas em cubos e cenouras em rodelas.
Tapar novamente a panela e assim que levantar pressão deixar cozinhar mais 10 minutos.
Retirar novamente a pressão, destapar a panela, rectificar os temperos e deixar ferver mais 2 minutos para apurar o molho.
Tenho que confessar que ossobuco é dos meus pratos de carne favoritos... conseguem ver o "buraco do osso"?? LOL!
E para que vejam que a minha vida não é só tachos e panelas (e ossosbucos... lol) quero mostrar-vos mais umas coisas que fiz: um tabuleiro e uma tela para quarto de menina.
Ambos os trabalhos já não estão comigo, foram vendidos, mas confesso que me custou ter que me separar deles, pois gostei muito de os fazer. Acham que estão bonitos?

sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

CANJA DE PATO

Eu ainda gostava de saber o que é que me deu para um dia destes ir ao talho e comprar metade de um pato... Eu, que compro tudo em doses industriais, vi na montra do talho metade de um pato e como vi que tinha um aspecto tão fresco, não resisti...
Mas o que é certo é que metade de um pato não dá para fazer uma refeição para os 3 comilões cá de casa.
A alternativa foi utilizá-lo numa canja, que ficou deliciosa...
Cozer metade de um pato na panela de pressão com 2 dentes de alho laminados, 1 cebola em meias luas, 2 cravinhos e uma pitada de sal.
Retirar o pato, rejeitar a pele e desfiar a carne.
No caldo onde se cozeu o pato acrescentar um pouco de água, 1/2 caldo knorr de galinha e quando levantar fervura adicionar um punhado de massa míuda.
Após 5 minutos deitar o pato desfiado e chouriço em rodelas.
Rectificar os temperos, deixar a massa acabar de cozer e servir a canja bem quentinha, aromatizada com folhas de hortelã e rodelas de limão.
Digam lá se com este tempo frio não vem mesmo a calhar uma canjinha destas?

quinta-feira, 20 de Novembro de 2008

TOSTA DE SALMÃO E TOMATE

"Um pacote de pão de forma quase no fim, esquecido na despensa e a precisar de ser usado...
Uma caixa de "Philadelphia" no frigorífico com um restinho que quase não cabe na cova de um dente...
Resto de salmão fumado dentro de uma caixa que não sabe que destino irá ter...
Mas o que vem a ser isto??? São só restos na minha cozinha???
Vou mas é fazer uma tosta para petiscar na hora do jantar!!!"

2 fatias de pão de forma
2 fatias de salmão fumado (escorrer o óleo)
1 fatia de queijo flamengo
queijo Philadelphia light q.b.
salsa picada q.b.
1 tomate
Barrar as fatias de pão com o quejo "Philadelphia" e colocar no seu interior:
* uma fatia de salmão fumado
* duas rodelas de tomate
* uma fatia de queijo flamengo
* uma fatia de salmão fumado
* polvilhar com salsa picada
Fechar e levar à tostadeira até o pão ficar tostadinho a gosto e o queijo derretido.
Servir com o restante tomate cortado em rodelas e polvilhar novamente com salsa picada.
Vai uma trinca???

quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

MOLOTOF TRADICIONAL

Chamo-lhe molotof tradicional apenas para o distinguir dos outros molotofs que já tinha mostrado aqui no blog, pois já fiz uma versão de café e também uma versão de chocolate.
Esta é a versão mais tradicional da nossa cozinha. Aproveitei 6 claras que tinha congeladas e usei mais 6 ovos para poder fazer o doce de ovos.
Ficou delicioso... e pensar que eu levei tantos anos sem conseguir fazer um molotof como deve ser... LOL!
Assim que lhe apanhei o jeito nunca mais ninguém me parou!
Para o molotof:
Ligar o forno a 200º.
Bater 12 claras em castelo firme (adiciono sempre uma pitada de sal). Adicionar aos poucos 12 colheres de sopa de açucar, batendo bem entre cada adição.
Colocar numa forma de chaminé untada com margarina e levar ao forno, em banho-maria, por 12 minutos (coloco sempre um tabuleiro com água no forno assim que o ligo, para quando colocar o molotof a água já esteja bem quente).
Apagar o forno, entreabrir a porta e deixar o molotof arrefecer dentro do forno.
Desenformar depois de frio... ó pra ele aqui todo "nú"... eh eh eh!
Para o doce de ovos:
Colocar ao lume 2,5dl de água com 250gr de açucar e deixar ferver cerca de 5 minutos.
À parte bater 6 gemas com uma colher de chá de essência de baunilha e deitá-las em fio, com muito cuidado, na calda de açucar, mexendo sempre para as gemas não talharem.
Deixar cozinhar em lume brando, sem parar de mexer, até que o doce tenha a consistência desejada.
Levar ao lume uma frigideira, deixar aquecer e torrar levemente miolo de amêndoa laminado.
Cobrir o molotof com o doce de ovos e salpicar com a amêndoa torrada. Servir bem fresco!
É uma maravilha, não é?

"EU ERA A MENINA DO PAPÁ"

Uma vez mais venho deixar a minha contribuição para a "Academia dos Livros" com um livro que acabei de ler.
Não vou falar muito sobre esta obra, penso que ao lerem o resumo ficam a perceber do que se trata. Fala de uma realidade que está bem presente na nossa sociedade, se bem que sempre de uma forma encoberta.
Gostei muito deste livro: é uma história verídica e é de louvar que a sua autora tenha conseguido ultrapassar todos os seus traumas de infância e transcrito para o papel tudo aquilo porque passou.
E já agora... o Natal está à porta, por isso nada melhor do que oferecer livros, nem que seja a vocês próprios.
A família de Julia era a imagem de respeitabilidade.
Para o mundo exterior era classe média, decente, carinhosa.
Mas a mãe não a amava o suficiente. E o pai amava-a demais.
Entre os oito e os treze anos, o pai de Julia abusou dela sexualmente. Leal à família e desesperada por mantê-la intacta, aquilo tornou-se o segredo de ambos. Mesmo enquanto tentava entender o que lhe estava a acontecer, Julia percebeu que revelar a verdade destruiria a sua família.
Quando finalmente gritou a pedir ajuda, foi rotulada de mentirosa.
Durante a adolescência, começou a duvidar da sua própria sanidade. Teria o abuso realmente acontecido? O pai não podia ter feito aquilo... pois não?
Esta é a dolorosa história de como o pai de Julia abusou da sua confiança e a privou da infância; mas é também a história de como, anos mais tarde, Julia confrontou com êxito o seu passado doloroso e começou a criar para si própria um futuro cheio de significado.
Sobre a autora:
Julia Latchem-Smith nasceu em Basildon, Essex, em 1981.
Mora agora em Bridgend, no País de Gales, com o marido, Jonathan, e os três filhos, Molly, Katelyn e Zack.

terça-feira, 18 de Novembro de 2008

FRANGO ESTUFADO

Frango é quase como bacalhau: dá para cozinhar de mil e uma maneiras. Por isso é que tenho sempre frango em casa, pois é uma coisa que toda a gente gosta, é uma carne saudável, rápida de cozinhar e pode ser confeccionado em várias versões.
Desta vez optei por um frango estufado, que é daqueles tipos de comida que sabem sempre bem nesta altura do ano e que faz com que a carne fique muito suculenta.

1 frango
100gr de manteiga
2 cebolas
3 dentes de alho
300ml de vinho do Porto
1 colher de sopa de vinagre
sal e pimenta q.b.
Partir o frango em pedaços e temperá-lo com um pouco de sal e pimenta, deixando tomar gosto por cerca de uma hora.
Derreter metade da manteiga e levar os pedaços de frango a corar. Juntar as cebolas às rodelas e os dentes de alho picados e deixar alourar mais um pouco.
Regar com o vinho do Porto e deixar cozinhar, em lume brando, por cerca de meia hora.
Rectificar os temperos, adicionar o vinagre e a restante manteiga e envolver bem com a colher de pau.
Deixar apurar mais 5 minutos e servir acompanhado a gosto.
Nós acompanhamos com as Missy's Potatoes do post anterior.

sábado, 15 de Novembro de 2008

MISSY'S POTATOES

Já tenho afirmado por várias vezes que não sou muito "batateira", ou seja, não sou grande apreciadora de batatas, prefiro mais arroz ou massa para acompanhar os pratos que confecciono e, se possível, sempre a indispensável salada.
Mas quando vi esta receita da Missy fiquei logo a babar, pois as batatas tinham um aspecto excelente.
Fiz e não me arrependi... adoramos e souberam a pouco. Sem dúvida um acompanhamento diferente mas muito saboroso.
Lavar cerca de 1kg de batatas médias e cortar em quartos (se forem batatas novas não é necessário descascar).
Misturar 2 colheres de sopa de farinha com 1 colher de sopa de colorau em pó, 1 colher de sopa bem cheia de alho em pó, 3 colheres de sopa de azeite, sal e pimenta, e envolver tudo até formar uma pasta.
Misturar tudo com as batatas e envolver bem.
Colocar no forno a 200º durante 30 minutos. Servir de imediato.
Simples, rápido e delicioso. Experimentem e garanto que não se arrependerão.

sexta-feira, 14 de Novembro de 2008

ROLINHOS DE SALSICHA E QUEIJO

Há anos que a minha mãe compra todas as semanas a revista "TV 7 Dias", que no seu interior traz sempre um destacável com receitas, que eu tenho ido guardando religiosamente.
Escusado será dizer que já tenho montes e montes de destacáveis e por vezes vejo-me desesperada, sem saber onde arquivar tanta papelada (confesso que já tenho tido vontade de me desfazer de alguns deles, mas quando chega a hora dá-me pena e não sou capaz).
Num desses destacáveis vinha esta receita e assim que a minha filha lhe pôs os olhos, não descansou enquanto eu não a fiz.
Como ela é uma boa filha, tive que lhe fazer a vontade... LOL!

1 colher de sopa de manteiga à temperatura ambiente
casca de 1 limão
1 chávena de chá de farinha de trigo
1 chávena de chá de água
8 salsichas
8 fatias de queijo flamengo (usei Terra Nostra)
1 ovo batido
pão ralado e óleo q.b.
* a chávena utilizada tem a capacidade de 200ml
Leve ao lume a água com a manteiga e a casca de limão. Deixe ferver, retire a casca do limão e junte a farinha, mexendo energicamente até se soltar do tacho. Deixe a massa arrefecer completamente e estenda-a sobre uma bancada polvilhada com farinha. Enrole as salsichas nas fatias de queijo.
Corte a massa em rectângulos e apare as extremidades. Coloque uma salsicha com queijo no centro de cada rectângulo e enrole novamente. Pressione as extremidades de cada rolinho para que a massa adira bem.
Passe os rolinhos de salsicha pelo ovo batido e de seguida por pão ralado. Frite-os em óleo quente, retire-os e escorra-os sobre papel absorvente.
Sirva com acompanhamento a gosto.

Respondo agora ao deafio que a Janeca me lançou: Exibir 3 livros que gostamos e lançar a 5 amigas (os) da blogosfera.

Não sabia se deveria escolher 3 livros de culinária ou 3 livros de outro tipo de literatura, mas como livros em geral vocês sabem sempre os que estou a ler (basta olhar para a barra lateral do meu blog) resolvi-me pelos livros de culinária.

Mas eles são tantos que eu não conseguia escolher apenas 3, por isso deixo-vos as imagens da estante onde tenho guardados alguns dos livros de culinária que possuo. Destaco na última foto o último que recebi: "Na Cozinha com Jamie Oliver", oferecido pelas minhas querida colegas no meu aniversário.


Não vou passar o desafio para ninguém em especial. Quem me visitar e ainda não tiver participado neste desafio, fica desde já convidado por mim a fazê-lo.

quinta-feira, 13 de Novembro de 2008

AMÊIJOAS À BULHÃO PATO NA CATAPLANA

Estas amêijoas percorreram muitos quilómetros até chegarem à minha cozinha. Foram apanhadas no Samouco (perto do Montijo) por um primo meu e quando lá fomos num fim de semana ele fez questão que as ditas viessem conosco para as comermos no conforto do nosso lar.
Tenho duas cataplanas mas raramente as uso, pois quando fiz obras na cozinha coloquei uma placa de vitrocerâmica e não posso usar as cataplanas.
Mas como tenho a sorte de a minha mãe viver na casa pegada à minha, usei o fogão dela e dei uso à cataplana já há muito esquecida na despensa.
O Sr. Risonho é que andou pela net à procura de uma receita e encontrou esta que lhe agradou de imediato.
Resta-me dizer que nunca na minha vida tinha visto amêijoas tão grandes... e que cozinhadas desta forma ficam deliciosas.
Olhem só para o tamanho das "bichas"... LOL!
1kg de amêijoas
2 dentes de alho
1 molho de coentros
1dl de azeite
um pouco de vinho branco
1 cebola grande
sal
limão
chouriço em rodelas e presunto em pedaços (acrescentei eu)
Lavam-se as amêijoas em várias águas para que toda a areia possa sair.
No fundo da cataplana dispõem-se algumas rodelas de cebola e juntam-se as amêijoas devidamente lavadas.
Junta-se a restante cebola, os alhos cortados, o chouriço e o presunto, o azeite, um pouco de vinho branco e o sal (pouco porque as amêijoas já têm gosto de sal) e finalmente os coentros inteiros.
Fecha-se a cataplana e vai ao lume. Destapar de vez em quando para dar a volta e verificar o sal (cuidado que a cataplana deve ser retirada do lume e aberta com muito cuidado por causa do vapor que pode provocar queimaduras).
O tempo de cozedura varia consoante o tamanho das amêijoas.
Por fim regar com sumo de limão e servir acompanhado de torradas e uma cerveja fresquinha.
Ficaram deliciosas, não vos parece? Se quiserem vir petiscar é só trazerem as amêijoas, que eu tenho a cataplana... eh eh eh!
Quero mostrar-vos mais dois trabalhos que fiz, com um toque de África (ou de selva, como diz a minha filha): uma tela e uma telha. Combinam muito bem as duas.