Sugestões para oferecer ou para ler...


quinta-feira, 27 de Maio de 2010

TARTE DE PÊRAS

Para não variar muito, mais uma receita retirada da revista "Saúde à Mesa", desta feita da edição de Janeiro de 2010, receita esta que serviu perfeitamente para dar vazão a uma série de pêras que andavam na fruteira e deu uma bela sobremesa que levei para um almoço de família.
1 rolo de massa quebrada
500gr de pêras
3 ovos
3 colheres de sopa de adoçante
uma pitada de canela em pó
1 colher de chá de farinha
2,5dl de leite

Ligue o forno a 180º. Forre uma tarteira com a massa quebrada e pique o fundo com um garfo.
Descasque as pêras, corte-as ao meio, retire-lhes as pevides, corte-as em gomos finos e disponha-os dentro da tarteira sobre a massa.
Numa tigela bata os ovos com o adoçante e a canela. Adicione a farinha, misture, junte o leite e mexa bem.
Verta sobre as pêras e leve ao forno durante 45 minutos. Sirva polvilhado com canela.
Informação Nutricional da revista "Saúde à Mesa":
Ingredientes para 6 pessoas
Calorias por pessoa: 349 Kcal
Interesse nutricional: as pêras são um fruto rico em vitaminas A e C, assim como em potássio. O potássio é um mineral que pode ajudar a diminuir o risco de hipertensão.
Deixo-vos mais uma das minhas manualidades...



Um conjunto de prato com vela que foi feito para oferecer a uma antiga colega de trabalho no seu aniversário.











Há um ano atrás falei-vos de: Cacau Quente II

terça-feira, 25 de Maio de 2010

"PORTO SEGURO"

Acabei de ler mais um livro de uma das minhas autoras favoritas: Danielle Steel. E como sempre deixei-me encantar pela narrativa da primeira à última página. Não é à toa que esta é uma das melhores escritoras do mundo.
Com graciosidade e compaixão, Danielle Steel explora os frágeis laços entre mães e filhas, maridos e mulheres, membros da família e amigos de longa data. Este romance envolvente e apaixonante conduz-nos, pela complexa paisagem da perda, às bençãos que nascem das tragédias mais tenebrosas. Simultaneamente uma história de triunfo e uma elegia comovente dos que sofrem e sobrevivem.
De todos os romances da autora este é talvez o mais forte e o que mais enaltece a vida.
E como diz um grande amigo meu: o amor pode acontecer em qualquer idade ou em qualquer fase da vida, e pode surgir de onde e de quem menos se espera .
Aqui deixo mais uma sugestão para a Academia dos Livros.
Num dia de Verão varrido pelo vento, uma figura feminina solitária caminha pelo areal de uma praia de São Francisco com um cão a seu lado. Com onze anos, a curta vida de Pip Mackenzie já foi tocada pela tragédia. Nove meses antes, um acidente terrível mergulhou a mãe numa dor inconsolável.
Porém, naquela tarde fria de Junho, Pip conhece alguém que enche de cor e luz o seu mundo triste e cinzento, o artista Matt Bowles. Pip recorda a este homem a sua própria filha, que um divórcio amargo levou para o outro lado do mundo.
Na companhia da mãe, Ophélie, a jovem passa o Verão na praia, sózinha, a olhar para as águas cintilantes e as nuvens que correm. Matt Bowles oferece-se para lhe ensinar desenho, e não pode deixar de reparar na sua bela e solitária mãe.
A princípio, Ophélie sente-se incomodada com o novo companheiro da filha, porém rapidamente se apercebe da alegria que ele traz às suas vidas, apesar da tristeza que se lhe vê nos olhos.
À medida que o novo amigo exerce a sua magia subtil, mãe e filha reencontram o prazer do riso e redescobrem um pouco do prazer de viver que haviam perdido.
Porém, o destino desfere mais um golpe: inesperadamente Matt tem que enfrentar uma questão inacabada do seu passado e, dias depois, Ophélie é ferida por uma espantosa traição por parte de alguém em quem confia.
Quando estes dois acontecimentos reverberam em dois corações já feridos, algo de extraordinário acontece, e das trevas que os têm ensombrado a ambos, surge uma inesperada esperança.
Notas sobre a autora:
Escritora norte-americana, nascida em 1949, em Nova Iorque, autora de best-sellers no seu país e no estrangeiro.
Escreve livros sobre dramas da realidade quotidiana ligados essencialmente ao amor, às relações conturbadas, à traição, à separação e ao sofrimento, mas com o sempre desejado desenlace feliz.

sexta-feira, 21 de Maio de 2010

PUDIM DE MARUCA

Já vos falei várias vezes que adoro a revista mensal "Saúde à Mesa" (ainda esta manhã comprei o recém-saído volume de Junho), pois é uma revista que, pelo preço de 2,75€, traz uma grande variedade de receitas, todas elas saudáveis, baixas em calorias e muito simples de preparar.
Esta receita de pudim de maruca foi retirada da revista de Novembro de 2009. Fica uma delícia e nestes dias quentes que se fazem sentir, se for servido fresco é uma maravilha.
Escusado será dizer que a "moçoila" mais nova cá de casa, como a receita leva "verdes" nem provou.. nem sabe o que perdeu!!!
500gr de bróculos
1 colher de chá de sal
4 postas de maruca
1 colher de sopa de queijo ralado
salsa picada
5 ovos
2dl de leite
pimenta

Corte os bróculos em pequenos raminhos e coza-os em água a ferver temperada com sal, durante 8 minutos Escorra-os, passe-os por água fria e reserve a água da cozedura.
Coza as postas de maruca na água dos bróculos, durante 10 minutos. Escorra-as, deixe-as arrefecer e limpe-as de peles e espinhas. Esmague ligeiramente o peixe.
Ligue o forno a 180º. Coloque os bróculos numa forma tipo bolo inglês previamente untada com margarina vegetal (usei uma forma de silicone passada por água).
Acrescente a maruca e por fim o queijo ralado e salsa picada a gosto.
Bata os ovos, misture-lhes o leite e tempere com sal e pimenta. Verta na forma e leve ao forno, em banho-maria, durante 30 minutos. Retire, deixe arrefecer e desenforme, servindo de seguida.
Informação Nutricional da revista Saúde à Mesa:
Ingredientes para 5 pessoas
Calorias por dose: 240 Kcal
Interesse Nutricional: o peixe é muito rico em proteínas de elevado valor biológico, em vitaminas do complexo B e em sais minerais. O tipo de gordura do peixe é de melhor qualidade do que a que existe na carne, na medida em que tem um maior teor de ácidos gordos insaturados.

terça-feira, 18 de Maio de 2010

BOLO DE BOLACHA COM MOUSSE DE CHOCOLATE

Mais um bolo de bolacha feito pelo homem cá de casa.
Já confessei aqui várias vezes que não consigo fazer bolo de bolacha... não sei porquê, mas não consigo... nem tenho pachorra para montar o bolo, com as bolachas em forma de flor, pois às páginas tantas, com o creme, as bolachas começam a escorregar e o bolo fica vergonhoso.
Por isso quando a minha filha lhe apetece bolo de bolacha já sabe que tem que pedir ao pai... com a mãe não se safa.
Este foi feito de acordo com uma receita retirada do jornal "Dica da Semana"...
1 pacote de mousse de chocolate
2 pacotes de bolacha Maria
café solúvel

Preparar a mousse de chocolate de acordo com as instruções da embalagem.
Molhar as bolachas no café, dispôr no prato de acordo a ficarem com o formato de uma flor, cobrir com uma camada de mousse e ir fazendo camadas sucessivas até terminarem os ingredientes.
A última camada deverá ser de mousse. Cobrir com bolacha ralada, levar ao frigorífico durante algumas horas e servir.
Fácil mais fácil não há!!! É verdade que a cozinha fica uma verdadeira bagunça depois disto, mas o resultado final vale a pena!
Nota: para quem não gostar de café pode molhar as bolachas em leite morno misturado com chocolate em pó ou adoçado apenas com açucar.

quinta-feira, 13 de Maio de 2010

MOELAS ASSADAS

Pois bem... Cá estou eu de volta ao trabalho, as férias já se acabaram e eu já sentia falta da rotina do dia a dia.
Hoje trago uma receita que tirei daqui do blog da Elvira. Já foi confeccionada há algum tempo para mim e para a Risonha Júnior e, tanto ela como eu apreciamos bastante esta maneira de confeccionar as moelas, pois nunca me tinha passado pela cabeça fazer moelas assadas. Experimentem e depois digam lá se não é uma delícia.
1kg de moelas
sal e pimenta moída no momento
sumo de 1 limão
2 folhas de louro
6 dentes de alho ligeiramente esmagados
200ml de vinho branco
100ml de azeite

Lavar, escorrer e secar as moelas. Colocá-las numa assadeira rasa. Temperar com sal, pimenta, sumo de limão, os alhos e as folhas de louro.
Envolver muito bem e cobrir com película aderente. Deixar repousar no frigorífico durante pelo menos 2 horas.
Pré-aquecer o forno a 190º.
Regar as moelas com o vinho branco e o azeite. Levar ao forno por aproximadamente 1 hora, regando as moelas de vez em quando com o próprio molho. Se for necessário juntar um pouco de água para o molho não secar. Rectificar os temperos.
Retirar a assadeira do forno e servir de seguida, com pão a acompanhar.
Há um ano atrás falei-vos de: Molotof de Laranja