Sugestões para oferecer ou para ler...


terça-feira, 30 de Novembro de 2010

EMPADÃO COM FIAMBRE

Ando sempre a prometer a mim mesma que já não compro mais livros de culinária, pois a estante está cheia e já não tenho sítio para arrumá-los. Mas quando não sou eu que os compro, fazem o favor de me oferecer mais um... foi o caso deste. A minha filha, sabendo a minha paixão por livros de receitas, ao sair da escola e passar pelo Lidl encontrou este livro pela módica quantia de 3,99€ e resolveu surpreender-me.
Eu para recompensá-la disse-lhe que escolhesse uma receita à vontade dela que eu fazia. Claro que ela tinha que escolher uma receita de massa... eh eh eh... e este prato realmente é muito fácil de confeccionar e faz sucesso em qualquer casa onde haja crianças.
500gr de macarrão
sal
200gr de fiambre
100gr de queijo Gouda
250gr de molho béchamel
150ml de leite
200gr de queijo para derreter
pimenta

Leve a massa a cozer em bastante água temperada com sal até ficar al dente. De seguida escorra bem.
Aqueça previamente o forno a 225º (200º com ventilação). Corte o fiambre em cubinhos e rale o queijo Gouda. Leve o molho béchamel a ferver com o leite, junte o queijo para derreter e misture. Se necessário junte sal e pimenta.
Faça camadas alternadas de massa e de fiambre numa forma previamente untada. Cubra as camadas com o molho.
Para terminar, cubra o empadão com o molho que sobrou, polvilhe com o queijo, leve a meio do forno e deixe cozer durante 20 minutos.
É muito booooooooommmmmmmmmm!!!!!!!!!

sábado, 27 de Novembro de 2010

"AS REGRAS DA SEDUÇÃO"

Este foi um livro que comecei a ler e não me estava a entusiasmar nem um pouco. Confesso que até meio achei o livro enfadonho, aborrecido e mais do que uma vez estive para deixá-lo e arrumá-lo na estante, pois é verdade que não aprecio muito romances históricos como este. Mas as críticas sobre a obra eram tão boas que eu resolvi vencer o aborrecimento e lê-lo até ao fim. Ainda bem que o fiz, porque a dada altura a história ficou realmente emocionante e, se até meio levei muito tempo a ler, o resto do livro foi lido num ápice.
Se algum dia pegarem nesta obra e a acharem monótona, arrisquem e continuem em frente, que não se vão arrepender, o final é surpreendente.
Uma bela ideia para oferecer no Natal e mais uma sugestão para a Academia dos Livros.

Hayden chega sem aviso e sem ser convidado - um estranho com motivações secretas e um forte carisma. Em poucas horas, Alexia Welbourne vê a sua vida mudar irremediavelmente. A relação entre ambos é tensa, agitada e incómoda.
Para Alexia, Hayden é o culpado da sua desventura: sem dote, ela perdeu qualquer esperança de algum dia se casar. Mas tudo muda quando Hayden lhe rouba a inocência num acto impulsivo de paixão. As regras da sociedade obrigam-na a casar com o homem que arruinou a sua família.
O que ela desconhece é que o seu autoritário e sensual marido é movido por uma intenção oculta e carrega consigo uma pesada dívida de honra. Para a poder pagar, ele arriscará tudo... excepto a mulher, que começa a jogar segundo as suas próprias regras...
Notas sobre a autora:
Madeline Hunter publicou o seu primeiro romance em 2000. Escreveu já doze romances históricos e foi, por quatro vezes, finalista do prémio RITA, da Romance Writers of America, que viria a ganhar em 2003 com a obra Stealing Heaven. Onze dos seus livros figuraram na lista dos mais vendidos do USA Today e é uma das autoras favoritas da publicação Romantic Times.
Para mais informações sobre a autora pode consultar o site oficial www.madelinehunter.com.

quinta-feira, 25 de Novembro de 2010

CREME DE BRÓCULOS COM SEMENTES DE GIRASSOL

Hoje é novamente dia de sopa nesta mesa e esta veio directamente do blog da Anette, que é uma rapariga que nos surpreende sempre com as suas receitas "verdes", simples e muito práticas.
Andei com a receita debaixo de olho mais de um mês e ao ver uns bróculos perdidos no frigorífico resolvi que era tempo de passar à acção.
A sopa é deliciosa e o que mais me fascinou é que até a minha filha, que é avessa a "tudo-o-que-seja-verde" comeu a sopa sem reclamar e no final elogiou, dizendo que tinha gostado muito.
Seria dos cogumelos? Ou do toque das sementes? Seja o que for... a sopa é fantástica, cremosa e encorpada e por si só serve de refeição.
A Anette preparou a sopa dela na panela de pressão, mas eu preparei normalmente numa panela vulgar.

3 ramos grandes de bróculos
2 alhos franceses cortados às rodelinhas
azeite
1 lata de cogumelos laminados
sementes de girassol
1 pacote de natas de soja
sal

Numa panela juntar uma golpada de azeite e saltear o alho francês. Quando quebrar juntar os bróculos e saltear mais um pouco.
Juntar água até cobrir os legumes, tapar a panela e deixar ao lume até que os legumes estejam cozidos (usei também alguns talos dos bróculos, partidos em pedaços pequenos).
Destapar, juntar as natas de soja, temperar com sal e com a varinha mágica reduzir tudo a puré.
Acrescentar os cogumelos e deixar ao lume por mais uns instantes,
Na altura de servir polvilhar com sementes de girassol.
Quem quer um prato de sopa para o almoço? Aproveitem... ainda está quentinha!

terça-feira, 23 de Novembro de 2010

TARTE DE CHOCOLATE

Esta tarte é um verdadeiro festim para os amantes de chocolate: fica com um sabor forte e doce, ideal para ser acompanhada com uma bola de gelado e finalizada com uma boa chávena de café.
A receita veio
daqui, do blog da . Eu, que sou amante de chocolate, confesso que achei a tarte um pouco doce demais, mas isto de gostos não se discutem.
Foi saboreada na casa dos meus cunhados, no dia do meu aniversário, acompanhada de uma bola de gelado de limão, pois o sabor ácido do gelado combinou na perfeição com o doce da tarte

1 base da massa folhada
170gr de chocolate amargo
250ml de natas
125ml de leite
55gr de açucar
1 ovo
1 gema

Forrar uma tarteira com a massa folhada (aproveitei as aparas para fazer pequenos corações para decorar a tarte).
Partir o chocolate em pedaços pequenos.
Levar ao lume as natas e o leite e quando começar a aquecer acrescentar o chocolate, mexendo até este derreter totalmente.
Numa tigela bater o ovo com a gema e o açucar. Verter o chocolate em fio para a tigela dos ovos, mexendo bem.
Colocar este prerarado dentro da tarteira (nesta altura enfeitei com os corações previamente feitos com a massa folhada).
Levar ao forno, a 170º, durante 30 minutos. Deixar arrefecer e servir com uma bola de gelado.
Nota: visto a tarte ter ficado excessivamente doce, aconselho que na confecção da receita seja retirado o açucar, pois é totalmente desnecessário.

sábado, 20 de Novembro de 2010

BACALHAU COM BROA E FRUTOS SECOS

Esta semana todas as postagens foram para responder a desafios propostos por outros blogs e hoje é a vez da Moira do blog Tertúlia de Sabores, blog que este mês faz 3 anos de existência e, como tal, a Moira desafiou a blogosfera para que hoje fossem publicadas receitas para o aniversário do blog.
Sabendo que a Moira é uma apreciadora de bacalhau, escolhi esta receita da revista "Saúde à Mesa" do passado mês de Outubro.
Agora é hora de colocar os pratos e os talheres na mesa, pois hoje a Moira vem jantar...

400gr de espinafres limpos
sal e pimenta q.b.
500gr de bacalhau cozido
2 cebolas
2 dentes de alho
1dl de azeite
1 folha de louro
300gr de miolo de broa
100gr de miolo de noz e amêndoa
Coza os espinafres em água a ferver temperada com sal durante 3 minutos. Depois passe-os por água fria e deixe-os escorrer. Limpe o bacalhau de peles e espinhas e lasque-o.
Descasque as cebolas e os alhos, pique os alhos e aloure-os em metade do azeite. Junte depois a cebola cortada em meias-luas finas e o louro, mexa e deixe cozinhar até a cebola ficar macia.
De seguida acrescente o bacalhau à cebolada, misture e rectifique o sal. Tempere com uma pitada de pimenta e mexa.
Ligue o forno a 180º. Corte o miolo da broa em pedaços, deite-os para uma picadora, junte o miolo de noz e amêndoa, ligue e deixe picar até obter um género de granulado. Transfira para uma taça, adicione o restante azeite e misture bem.
Espalhe os espinafres no fundo de um prato de forno, cubra com a mistura de bacalhau e espalhe por cima a mistura da broa. Leve ao forno até a superfície ficar douradinha e sirva quente.
Informação Nutricional da revista "Saúde à Mesa":
Ingredientes para 6 pessoas
Calorias por pessoa: 426 Kcal
Interesse Nutricional: rica em proteínas, ácido fólico, ferro e vitamina E.

Mostro agora mais umas pequenas "mariquices" que eu faço quando estou inspirada e com tempo: estas foram as minhas primeiras experiências em feltro.
Bem sei que as pregadeiras não estão nada de especial se compararmos com as maravihas que se vê na blogosfera, mas acho que para uma amadora até que não saíram muito mal.

quinta-feira, 18 de Novembro de 2010

TIRAS DE CHOCO COM MOSTARDA

Apresento esta receita muito simples como participação no desafio do blog Doces Curiosidades em que a Catarina nos pede para publicar uma receita que seja alusiva ao Natal.
E o que tem o choco a ver com o Natal? Nada.... mas podemos sempre inovar na noite da Consoada, apresentando um prato diferente do tradicional bacalhau (e ainda por cima ao preço a que está o bacalhau, sai mais barato comprar as tiras de choco, que sempre têm um preço mais acessível).
Uma receita que surpreende pela sua simplicidade e sabor e que tem uma cor linda, mesmo a lembrar o dourado das estrelas natalícias. Peço apenas desculpa à Catarina por não ter decorado a mesa convenientemente com adornos de Natal, mas quando me lembrei... já era.

750gr de tiras de choco
2 colheres de sopa de margarina
4 colheres de sopa de polpa de tomate
1 cebola
2 gemas de ovo
1 colher de sopa de mostarda
1 colher de sopa de vinho branco
sal e pimenta

Lavar as tiras de choco e cortá-las em palitos de tamanho regular.
Cortar a cebola em rodelas e levar a amolecer, em lume brando, com a margarina. Juntar a polpa de tomate e deixar refogar um pouco.
Introduzir as tiras de choco e adicionar um pouco de água.
Tapar o tacho e deixar cozinhar em lume brando até que o choco fique macio.
Retirar do lume, juntar as gemas, a mostarda e o vinho branco, temperando com sal e pimenta.
Levar novamente a lume brando, mexendo sempre, até que o molho fique ligado.
Servir com arroz branco.
Agora preparem vocês uma receita para este desafio, para "invadirmos" o blog da Catarina com coisinhas apetitosas!

terça-feira, 16 de Novembro de 2010

AÇORDA À RICO

Hoje venho mostrar a minha participação no desafio de culinária reciclada, promovido pelo blog Delícias e Talentos sobre a importância de reciclar na cozinha.
Com a crise que se instalou no nosso país e nas nossas vidas cada vez é mais importante reciclarmos o que sobra de outras refeições, ainda para mais se pensarmos que no mundo há tanta gente que morre de fome, mais um motivo para nunca jogarmos comida para o lixo - este é o lema na minha casa.
A reciclagem de hoje foi feita com uma posta de bacalhau cozido que tinha sobrado da véspera, usando ainda pão duro e um resto de broa de milho que tinha em casa. A inspiração veio de um programa do Chakall na Sic Mulher, em que ele preparou uma açorda como esta - eu apenas acrescentei a broa de milho, o que fez com que "reciclasse" mais um ingrediente. O nome de "Açorda à Rico" tem a ver com o facto de levar presunto, queijo e broa de milho, o que lhe confere um toque diferente.

1 posta de bacalhau cozido
água onde se cozeu o bacalhau
restos de pão duro
restos de broa de milho
azeite q.b.
4 dentes de alho
2 ovos
poejos
4 fatias de presunto
queijo ralado
Partir o pão e broa em pedaços para uma tigela, acrescentar os alhos descascados e partidos em pedaços, os poejos, as fatias de presunto e regar abundantemente com azeite. Partir a posta de bacalhau em pedaços, retirando peles e espinhas e acrescentar na tigela.
Levar ao lume a água onde se cozeu o bacalhau e, quando levantar fervura, escalfar os ovos. Retirar os ovos com uma escumadeira para a tigela e de seguida regar com a água. Tapar e deixar abafado por cerca de 2 minutos.
Servir de seguida e na altura de colocar nos pratos, polvilhar com um pouco de queijo ralado a gosto.
Atrevem-se a experimentar esta açorda diferente?

sábado, 13 de Novembro de 2010

"PEGADAS NA AREIA"

Tenho a certeza que toda a gente conhece a história do poema "Pegadas na Areia" e mesmo quem não acredita em Deus não fica indiferente à mensagem que o dito poema transmite.
Eu acredito em Deus e acho que toda a gente, crente ou não, deveria ler esta obra, pois ao longo das páginas encontramos sempre algo com que nos identificamos e que nos leva a pensar melhor na nossa vida e nas nossas atitudes.
Como as coisas boas devem ser partilhadas, assim que acabei de ler o livro ofereci-o a uma jovem amiga que na semana passada perdeu o marido. Acho que algures nas frases desta obra ela encontrará consolo e coragem para enfrentar o momento difícil que está a atravessar.
Aqui fica mais uma sugestão para a Academia dos Livros: um livro que deve ser lido devagar, saboreando cada palavra...

Quase todas as pessoas já leram, pelo menos uma vez, o poema "Pegadas na Areia". Em versos singelos, ele é uma mensagem que tem confortado e inspirado milhões de pessoas por todo o mundo. O relato é simples. Uma pessoa observa a trajectória da sua vida na forma de pegadas deixadas na areia. Ao lado das suas, há outro par de pegadas, numa metáfora de que o Senhor sempre caminha ao lado daqueles que Nele confiam.

Uma noite tive um sonho.
Estava a passear na praia com o meu Senhor.
Pelo céu escuro passavam cenas da minha vida.
Por cada cena, percebi que eram deixados dois pares
de pegadas na areia,
um que me pertencia
e outro ao meu Senhor.

O poema "Pegadas na Areia" foi escrito em 1964 por Margaret Fishback, uma jovem que procurava orientação numa encruzilhada da sua vida. A criação do poema, a sua perda subsequente e a sua espantosa redescoberta estão interligados com a história do encontro de Margaret com o seu marido Paul e os desafios e alegrias da sua vida em conjunto.
Esta história proporcionará renovação espiritual e emocional a qualquer leitor que queira conhecer a verdadeira história de um poema que, ao longo de décadas, passando de mão em mão, impresso, dito, através da Internet, atribuído aos mais variados autores ou a nenhum, tem inspirado e confortado milhões de pessoas no mundo inteiro.
Notas sobre a autora:
Margaret Fishback Powers é a verdadeira autora do poema "Pegadas na Areia". Já escreveu dez livros e compôs outros 16 mil poemas, a maioria com temática cristã. Conjuntamente com o seu marido, criou e dirige, no Canadá, a Little People Ministry Association, uma organização que promove assistência a crianças de todo o mundo.

"Fico profundamente emocionada quando ouço que o poema "Pegadas na Areia" significou muito para alguém. A minha mais ardente prece é que a sua verdadeira história tenha uma missão ainda mais abençoada nos dias vindouros". (palavras da autora)

quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

SOPA DO QUINTAL

Só agora me dei conta que há quase um ano que não aparecia uma sopa neste blog... eh eh eh. Não é porque as sopas tenham andado esquecidas na minha mesa, nada disso! Mas na maior parte das vezes faço sopas básicas que acho que nem vale a pena postar. Outras vezes faço sopa e quando me lembro que deveria ter fotografado, já foi toda comida.
Mas como o frio vem a caminho, está na altura de voltar a colocar mais umas sopitas por aqui. Esta ficou muito saborosa, confeccionada com folhas verdes apanhadas directamente do meu quintal...

1 cebola
2 dentes de alho
2 alhos franceses
5 cenouras pequenas
2 curgettes
0,5dl de azeite
1l de água
sal
folhas verdes
30gr de esparguete

Na panela colocar a cebola, os alhos, 1 alho francês, 3 cenouras e as curgettes, tudo em pedaços. Juntar o azeite, a água e o sal e levar ao lume. Quando estiver tudo cozido reduzir a puré com a varinha mágica.
Acrescentar água se necessário e após retomar fervura acrescentar o restante alho francês em rodelas e as cenouras restantes em pedaços, as folhas verdes ripadas e o esparguete partido em pedaços pequeninos.
Rectificar os temperos e deixar ao lume até que o esparguete esteja cozido.
Vai uma sopinha para combater o frio???
Um feliz dia de S. Martinho para todos...

terça-feira, 9 de Novembro de 2010

ARROZ DE FRANGO 3 MINUTOS

Nunca vos aconteceu pegarem numa receita e, à partida, acharem que vai ser um fracasso? Foi o que me aconteceu com esta... Retirei a receita deste blog e achei que era impossível que em tão pouco tempo ao lume ficasse alguma coisa de jeito, ainda para mais que alterei alguns ingredientes.
Enganei-me redondamente... ficou um arroz muito saboroso e com um toque de cremosidade, quase a lembrar um risotto.
Tão fácil e rápido ninguém tem desculpa para não fazer!

0,5kg de frango cortado aos pedaços
2 dentes de alho picados
1/4 de chávena de vinagre
2 folhas de louro
sal q.b.
2 colheres de sopa de azeite
1 cebola grande ralada
1 cubo de caldo de galinha
1 colher de sopa de colorau
2 chávenas de chá de arroz
1 cenoura grande cortada em cubinhos
1 lata de cogumelos laminados
4 chávenas de água a ferver
* a chávena utilizada tem a capacidade de 250ml

Tempere o frango com os alhos, o vinagre, o louro e o sal. Reserve.
Numa panela de pressão aqueça o azeite, refogue o frango e junte os demais ingredientes, sendo a água o último ingrediente a adicionar.
Feche a panela, leve ao lume e assim que levantar fervura baixe o lume e deixe cozinhar por 3 minutos.
Apague o lume e, sem mexer na panela, deixe repousar durante 20 minutos.
Abra a panela e sirva de seguida.

sábado, 6 de Novembro de 2010

"A MELODIA DO ADEUS"

Tenho um colega que para mim é como um irmão, e como tal conhece-me bem: sabe que adoro ler e já conhece os meus gostos literários, por isso de vez em quando tem a gentileza de me oferecer um livro, dando-se ao trabalho de andar sempre a cuscar quais as obras que estão no "Top +" de vendas das livrarias.
Há 15 dias atrás, por ocasião do meu aniversário, ofereceu-me este livro de Nicholas Sparks que tem uma história linda. A minha filha, que viu o filme, já me tinha dito que a história era muito bonita e comovente. O livro adorei... o filme vou ver assim que possa, pois já ficaram de me emprestar o DVD.
Aqui deixo mais esta sugestão de leitura para a Academia dos Livros e para todos vós - agora que vêm aí as tardes frias e chuvosas, agarrem num livro, enrolem-se numa manta, corram para o sofá e ponham a leitura em dia.

Com apenas dezassete anos, Veronica Miller - ou "Ronnie", como é carinhosamente chamada - vê a sua vida virada do avesso quando o casamento dos pais chega ao fim e o pai se muda da cidade de Nova Iorque, onde vivem, para Wrightsville Beach, uma pequena cidade costeira na Carolina do Norte. Três anos não são sificientes para apaziguar o seu ressentimento, e quando passa um Verão na companhia do pai, Ronnie rejeita com rebeldia todas as suas tentativas de aproximação, ameaçando antecipar o seu regresso a Nova Iorque.
Mas será na tranquilidade que envolve o correr dos dias em Wrightsville Beach que Ronnie irá descobrir a beleza do primeiro amor, quando conhece Will, e vai afrouxando, uma a uma, todas as suas defesas, deixando-se tomar por uma paixão irrefreável e de efeitos devastadores.
Nicholas Sparks é, como sabemos, um mestre da moderna trama amorosa, e, em A Melodia do Adeus, usa de extrema sensibilidade para abordar a força e vulnerabilidade que envolvem o primeiro encontro com o amor e o seu imenso poder para ferir... e curar.
Notas sobre o autor:
Nicholas Sparks é um dos autores de ficção que mais vende em todo o mundo, e também um dos mais queridos do público português. Pode orgulhar-se de todas as suas obras terem sido bestsellers internacionais e de se encontrarem traduzidas em mais de 40 línguas. O forte apelo dos seus romances também não passou despercebido à indústria cinematográfica, que adaptou ao grande ecrã cinco obras suas - As Palavras Que Nunca Te Direi, Um Momento Inesquecível, O Diário da Nossa Paixão, O Sorriso das Estrelas, Juntos ao Luar e agora também A Melodia do Adeus.
Mais informações sobre o autor podem ser encontradas no seu site oficial
www.nicholassparks.com

quinta-feira, 4 de Novembro de 2010

PERAS BÊBEDAS

Há alguns dias a minha vizinha deu-me uma "carrada" de peras apanhadas do seu quintal... e chegou a certo ponto que já toda a gente andava "enjoada" de comer peras a meio da manhã, a meio da tarde, etc... lol.
Então lembrei-me de preparar umas peras bêbedas, iguaria que gosto muito de saborear. Nunca tinha feito e pesquisei na net a receita. Encontrei esta no Sapo Sabores.
Só tenho um reparo a fazer: a receita é óptima mas a quantidade de açucar é exagerada, pode ser reduzida para metade, pois as peras ficaram muito boas mas a calda ficou excessivamente doce.


8 peras
350gr de açucar (usem metade... é o suficiente)
2,5dl de água
7,5dl de vinho tinto
1 limão
1 cálice de vinho do Porto
1 pau de canela

Descascam-se as peras inteiras, mantendo o pé, e envolvem-se em sumo de limão.
Leva-se a água ao lume com o açucar. Adiciona-se o vinho tinto e deixa-se levantar fervura. Junta-se o pau de canela e a casca do limão.
Introduzem-se as peras e deixam-se cozer em lume brando até ficarem macias.
Quando estiverem prontas retira-se com cuidado para uma taça.
Mantém-se no lume o vinho com o açucar e junta-se o vinho do Porto. Deixa-se ferver até a calda apresentar um aspecto de xarope.
Nessa altura retira-se do lume e despeja-se sobre as peras.
Serve-se bem fresco.

terça-feira, 2 de Novembro de 2010

RABO DE BOI ESTUFADO

Há pessoas que quando ouvem falar em rabo de boi franzem o nariz e fazem uma cara estranha... LOL! Mas é uma coisa que eu aprecio muito., e quando encontro no talho (o que raramente acontece) não resisto a comprar. A carne é algo gelatinosa e fica sempre com um molho muito apurado, de comer e chorar por mais.
Agora que o frio está a chegar, já vai apetecendo estes pratos reconfortantes...

Um rabo de boi cortado em pedaços
1 cebola picada
3 dentes de alho
2 tomates maduros
2 colheres de sopa de polpa de tomate
1dl de azeite
2dl de vinho branco
3 cenouras em tiras
6 cogumelos frescos em pedaços
2dl de água
sal, pimenta e noz moscada
250gr de fusili tricolor

Colocar o rabo de boi na panela de pressão com os restantes ingredientes (excepto a massa), deixar cozinhar um pouco, envolvendo bem, fechar a panela e levar ao lume. Após levantar pressão deixar cozinhar durante 20 minutos.
Retirar a pressão da panela, acrescentar um pouco de água se necessário e, após retomar fervura, juntar a massa.
Rectificar os temperos, deixar a massa acabar de cozer e servir de seguida.
Pode parecer um ingrediente estranho, mas dá uma refeição deliciosa...
Olhem só quem veio filmar a esta pontinha do Algarve ontem à tarde: o grande Chef Chakall... claro que eu não perdi a oportunidade de tirar uma foto com este cozinheiro que tanto aprecio. É uma simpatia, muito divertido e simpático com toda a gente. Só não consegui foi apanhar na foto a sua cadela "ajudante" Pulga... estejam atentos pois o programa passará no canal Sic Mulher daqui por mais ou menos 3 semanas.