Sugestões para oferecer ou para ler...


terça-feira, 31 de Maio de 2011

LOMBO DE PORCO RECHEADO COM NOZES

Gosto muito de usar frutos secos nos cozinhados, acho que dão um toque muito agradável e algo requintado às refeições.
Tendo comprado um lombo de porco e cuscando em várias revistas que tenho em casa, preparei este lombo de porco recheado com nozes que ficou uma delícia: macio, tenro e suculento e, mesmo que congelem o que sobrar, depois de descongelado fica como se fosse preparado na hora.

1kg de lombo de porco sem osso
200gr de queijo flamengo em fatias
100gr de miolo de noz picado
3 dentes de alho
2 colheres de sopa de margarina
1 pitada de colorau
sal e pimenta q.b.
1dl de vinho branco

Com uma faca abra o lombo no sentido do comprimento de modo a formar uma peça espalmada mas sem separar as duas partes da carne. Disponha sobre elas o queijo em fatias, polvilhe com o miolo de noz e ate com fio de cozinha.
Descasque os dentes de alho e pique-os para uma tigela, junte-lhes a margarina e uma pitada de colorau em pó, tempere com sal e pimenta e misture muito bem.
Barre a carne com a mistura anterior e coloque-a numa assadeira.
Deite o vinho brando na assadeira e leve ao forno, a 220º, durante 50 minutos, regando a carne de vez em quando com o próprio molho.
Sirva a carne cortada em fatias com o molho à parte.

segunda-feira, 30 de Maio de 2011

"A TALENTOSA FLAVIA DE LUCE"

Este livro foi-me emprestado por um amigo de infância, durante a uma visita que lhe fiz a sua casa, quando recuperava de um acidente. Já há algum tempo que o tinha em casa, e se há coisa que eu detesto é ter em casa livros que não são meus... se me emprestam livros gosto de lê-los rapidamente para os devolver assim que possa.
Por isso tive que despachar este o quanto antes... a história é muito engraçada e carregadinha de mistério. A heroína, com apenas 11 anos de idade, dá-nos um "bigode" a todos a nível de sabedoria... Mais uma saborosa sugestão para a Academia dos Livros.
No seu primeiro romance travessamente brilhante, Alan Bradley, vencedor do Debut Dagger Award, apresenta uma das heroínas mais cativantes da ficção recente. Flavia de Luce, onze anos, aspirante a investigadora química com uma paixão por venenos.
Estamos no Verão de 1950 e Buckshaw, a deteriorada mansão inglesa que é o lar da família de Flavia, é atingida por uma série de acontecimentos inexplicáveis.
Um pássaro morto é encontrado no degrau da porta, com um selo de correio espetado no bico. Algumas horas depois, Flavia descobre um homem caído no meio dos pepinos e vê-o exalar o seu último suspiro. Para Flavia, que fica ao mesmo tempo chocada e encantada, a vida começa realmente a sério quando o homícidio chega a Buckshaw. "Quem me dera poder dizer que senti medo, mas não senti. Muito pelo contrário. Isto era de longe a coisa mais interessante que acontecera na minha vida."

Narrativa arrebatadora, pintura perspicaz do sistema de classes e da sociedade, "A Talentosa Flavia de Luce" é uma história de enganos magistralmente contada e um magnífico gozo literário.
Notas sobre o autor:
Alan Bradley nasceu em Toronto, e cresceu em Cobourg, Ontário. Formou-se em engenharia electrónica, e trabalhou em várias estações de rádio e televisão, em Ontário, e no Instituto Politécnico Ryerson (agora Ryerson University), em Toronto, antes de se tornar director de Engenharia de Televisão.
Resolveu dedicar-se à escrita e publicou vários livros infantis antes de se resolver a escrever um para adultos "A Talentosa Flavia de Luce", que se tornou de imediato um fenómeno.
Para mais informações visite site oficial do autor em www.flaviadeluce.com.

sábado, 28 de Maio de 2011

BOLO RÁPIDO

Sabem aqueles dias em que de repente aparecem visitas em casa e resolvem ficar para lanchar e não temos um bolo preparado para o lanche?
Pois é... nada de stress... com esta receita que encontrei no verso de um pacote de açucar, em pouco tempo têm um bolo delicioso para servir, que fica com uma calda irresístivel.
4 ovos
1 chávena de açucar em pó
2 chávenas de chocolate em pó
1 chávena de óleo
1 chávena de farinha com fermento
1 chávena de leite morno
* a chávena utilizada tem a capacidade de 200ml

Bata bem os ovos com o açucar em pó. Adicione o chocolate e o óleo e mexa muito bem.
Por fim junte a farinha com fermento e o leite morno, batendo bem de modo a que a mistura fique homogéna.
Unte um recipiente que possa ir ao microondas (usei uma forma de silicone passada por água) e leve ao microondas, na potência máxima, durante 7 a 8 minutos (convém fazer o teste do palito).
Deixe arrefecer alguns minutos antes de desenformar. Polvilhe com açucar em pó.
Logo após desenformar o bolo fica com uma calda deliciosa... após alguns momentos a calda começa a solidificar, criando uma "capa" espessa.
Agora é só decidir se querem servir o bolo morno ou frio. Garanto que é óptimo das duas maneiras... acho que as fotos falam por si!
Mostro agora mais uma das minhas manualidades. Com o cartão do interior dos rolos de papel higiénico (ou rolos de cozinha) e restos de guardanapos ou papel de embrulho, podem fazer-se uns pacotinhos muito simpáticos para oferta...
Decorados com algumas fitas ou laços e recheados com rebuçados, bombons, gomas, etc, dão óptimas lembranças para festas de aniversário ou para dar à miudagem nas festas de Natal.

Há um ano atrás falei-vos de: Tarte de Pêras

quinta-feira, 26 de Maio de 2011

MAÇÃS COM NOZES


Conforme vos tinha dito outro dia, maçãs são sempre fruta assídua na minha cozinha, por isso ao descobrir esta receita da Velud'arte fiquei literalmente a salivar.
É costume fazer maçãs assadas no microondas, mas normalmente junto apenas açucar e canela. Esta mistura de nozes surpreendeu-me pela positiva...
5 maçãs reinetas
110gr de nozes picadas
2 colheres de sopa de farinha
4 colheres de sopa de açucar amarelo
1/2 colher de chá de erva-doce moída
1/2 colher de chá de canela em pó
1 cálice de whisky
sumo de uma laranja

Lave as maçãs e retire-lhes o centro, sem as danificar.
Juntar as nozes com o açucar, a erva-doce, a canela em pó e a farinha, misturando bem os ingredientes.
Dispôr as maçãs numa assadeira e colocar este preparado sobre e dentro das maçãs.
Adicionar no fundo do recipiente o whisky e o sumo de laranja.
Levar ao microondas, na função de micro grill, durante 10 minutos (convém conferir se as maçãs estão assadas, se não estiverem ir pondo mais uns minutos, experimentando de minuto a minuto), regando as maçãs com o próprio molho a meio do tempo.
Servir quente ou frio, conforme o gosto.

quarta-feira, 25 de Maio de 2011

"A CASA"

Este é nada mais nada menos que o 50º livro que leio desta autora... acho que nem preciso dizer que é uma das minha autoras preferidas.
Mais uma vez a história é muito boa e consegue prender-nos a atenção até ao final, se bem que nesta obra achei as descrições um pouco longas.
De qualquer forma é um livro magnífico e mais uma excelente sugestão para a Academia dos Livros.
No alto de uma colina de onde se avista São Francisco, a casa, construída em 1923 por um milionário como o objectivo de a oferecer à mulher amada, era magnífica. Por ela e por aquela casa, não se poupou a gastos nem negligenciou nenhum pormenor, desde os intermináveis pisos de mármore aos candelabros resplandescentes.
Quase um século depois, uma jovem percorre as suas divisões vazias e decadentes. Sarah Anderson, uma advogada cheia de sensibilidade, está prestes a fazer algo inaudito. Um cliente idoso falecera e deixara-lhe dois presentes. Um deles era uma herança generosa. O outro, uma mensagem: utilizar o seu dinheiro em algo maravilhoso, algo ousado.
Sarah não consegue explicar a atracção que sente pela mansão e pela sua história - a história de uma mulher que em tempos terá vivido ali, mas que depois desapareceu misteriosamente; a história de uma criança que ali cresceu; o drama que se desenrolou na França devastada pela guerra... e a sua própria história.
Sarah começa a trabalhar com Jeff Parker, para trazerem a velha casa de novo à vida. À medida que vão avançando no restauro, uma relação desfaz-se e outra começa, e Sarah faz uma série de descobertas importantes: o verdadeiro significado do último presente de um moribundo... os legados extraordinários que são passados de geração em geração... e um futuro que ela ainda só começou a vislumbrar.

Notas sobre a autora.
Danielle Steel nasceu em Nova Iorque em 1949. Passou parte da sua infância em França, e, regressada aos Estados Unidos, estudou Literatura Francesa e Italiana na Universidade de Nova Iorque.
É considerada uma das autoras mais populares do mundo, traduzida em 50 línguas e publicada em 80 países, com mais de 570 milhões de livros vendidos.

terça-feira, 24 de Maio de 2011

TOMATES SALTEADOS COM ALHO

Esta é uma daquelas receitas que, quando faço, todos franzem o nariz... o que eu não me importo nada, pois assim como eu sózinha... lol.
Aproveitando alguns tomates que tinha no frigorífico e dando volta às revistas de culinária que tenho em casa, fiz esta receita que tanto pode servir de entrada, como acompanhamento de carnes grelhadas, sendo que é uma boa opção para quem pratica um regime vegetariano.
4 tomates
manteiga para untar
sal e pimenta q.b.
1 colher de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de pão ralado
salsa picada q.b.
4 dentes de alho picados

Lave os tomates e corte-os ao meio.
Esprema-os ligeiramente para libertarem a água, tire-lhes as grainhas e disponha-os num tabuleiro que possa ir ao forno, previamente untado com manteiga.
Tempere as metades de tomate com uma mistura de sal, pimenta, manteiga, pão ralado, salsa e dentes de alho picados.
Leve ao forno durante 20 minutos, a 150º. Sirva como acompanhamento ou entrada.

sábado, 21 de Maio de 2011

DELÍCIA DE MAÇÃ

Maçã é fruta sempre presente na minha fruteira, pois é uma das frutas mais consumidas cá em casa, por isso é normal que as sobremesas e bolos com maçã sejam também uma constante na minha cozinha.
Esta receita, sinceramente, nem sei de onde veio... é um recorte de uma revista que há montes de tempo que tenho dentro da gaveta, devo ter retirado de alguma revista que me passou pelas mãos.
O que é certo é que experimentei e não me arrependi... servida bem fresquinha é uma tarte deliciosa.
3 maçãs reinetas
100gr de manteiga
100gr de açucar
raspa de 1/2 laranja
2 ovos
100gr de farinha
1 colher de café de fermento
1 colher de chá de essência de canela

Para o caramelo:
15 cubos de açucar
3 colheres de sopa de água
1 colher de chá de sumo de limão

Prepare o caramelo numa caçarola. Quando atingir uma coloração dourada, deite-o no fundo de uma forma anti-aderente com 18cm de diâmetro.
Pré-aqueça o forno a 180º. Descasque as maçãs, parte-as em metades, tire os caroços e as sementes e corte-as em fatias largas. Disponha as fatias no fundo da forma.
Prepare a massa misturando a manteiga amolecida com o açucar, a essência de canela e junte a raspa da casca de laranja.
Incorpore os ovos e por fim a farinha peneirada juntamente com o fermento.
Deite a massa sobre as fatias de maçã e leve ao forno durante 40 minutos.
Quando estiver pronto, retire o bolo do forno e deixe arrefecer um pouco antes de desenformá-lo sobre um prato. Sirva bem fresco.
Há um ano atrás falei-vos de: Pudim de Maruca

sexta-feira, 20 de Maio de 2011

"PADRE MOTARD"

Já alguém me tinha dito que, ao lermos um livro escrito por alguém que conhecemos pessoalmente, esse livro teria muito mais "sabor". Nunca tinha tido essa experiência, por isso não me podia pronunciar sobre o assunto... até hoje...
Esta autobiografia é de alguém que conheci pessoalmente e com quem privei durante meia dúzia de anos, o Padre José Fernando foi pároco na minha paróquia durante 6 anos e foi precisamente este padre que me casou. Tanto eu, como todas as pessoas que com ele privaram na sua passagem por esta pontinha do Algarve, aprendemos muito com a sua maneira de ser e de viver a fé.
Este homem é um lutador, pois perante uma doença grave não baixou os braços e continua com um sorriso nos lábios, transmitindo força e coragem a quem com ele se cruza. Respeitado entre todos, tem nas motas a sua grande paixão e nos motards os seus grandes companheiros.
Um livro muito genuíno e verdadeiro, como só o Padre Zé Fernando sabe ser... mais uma sugestão para a estante da Academia dos Livros.
O livro é uma autobiografia. O padre José Fernando conseguiu conciliar o seu sacerdócio com o amor pelas motas, e foi o universo muito particular dos motards que, ao acolhê-lo, o retirou do anonimato, transformando-o numa figura de enorme popularidade a nível nacional.
O seu carisma tem raízes numa profunda genuidade, na fidelidade inabalável a si próprio, na capacidade de estar próximo das pessoas, de escutar sem julgar, sem nunca excluir e numa contagiante alegria de viver.
"O padre Zé Fernando é o Sol!", dizem dele os "seus motards".
O surgimento de um cancro ("uma derrapagem..."), em 2005, leva-o a fazer um desvio no seu percurso e a questionar-se, mas não à sua fé. Aceitando embora algumas limitações, vive agora um dia de cada vez, quase sem compromissos senão com os amigos, com a sua crença em Deus e na vida.
"Gostava que pudessem olhar para a minha vida e constatassem que ela foi uma prova de que Deus existe e que Ele viveu em mim (...). E... olhe... que não me façam tão mau como eu fui, nem tão bom como realmente não fui. Gostava de ser recordado na dimensão exacta daquilo que fui. E que o meu objectivo foi sempre o bem, a perfeição, a união. Foi sempre a minha preocupação profunda, apesar de ter consciência que nem sempre o consegui. Os motards, muita gente... ajudaram-me. Mostraram-me que a minha vida não foi em vão. (...)"
Notas sobre o autor:
José Fernando da Cruz Lambelho nasceu a 11 de Janeiro de 1958 em Aldeia de Joanes (Fundão). Reside em Aldeia Nova do Cabo. Estudou no Seminário Menor do Fundão, Seminário Maior da Guarda e no Instituto Superior de Teologia de Évora. Foi ordenado sacerdote a 1 de Julho de 1894 pela Arquidiocese de Évora, onde se encontra actualmente incardinado. Foi Vigário Paroquial da zona Pastoral de Reguengos de Monsaraz (2984 a 1988) e de Vila Real de Santo António. Pároco em Vila do Bispo, Sagres e Raposeira (Algarve) desde 1989 a 1995.
Em 1986 frequentou o Curso de Capelães Militares na Academia Militar. Em 2004 foi nomeado Capelão, para os Estados Unidos, das Comunidades Portuguesas na Arquidiocese de Los Angeles, Director Espiritual dos Cursos de Cristandade de Língua Portuguesa para o Sul da Califórnia.
Em 1997 recebe o Diploma de Mérito de Motociclista. É membro da Federação de Motociclismo de Portugal (Comissão de Mototurismo) desde 1998. Impulsionador da criação do Dia Nacional do Motociclista e do Protector e Padroeiro dos Motociclistas, o Arcanjo São Rafael.
Foi docente de Educação Religiosa e Moral Católica e outras disciplinas no Ciclo Preparatório e Escola Secundária de Reguengos de Monsaraz, Escola Secundária de Vila Real de Santo António, C+S de Vila do Bispo e Externato de Nossa Senhora dos Remédios no Tortosendo.
Actualmente encontra-se reformado por doença oncológica.

quinta-feira, 19 de Maio de 2011

ESSÊNCIA DE CAFÉ E CANELA

Nunca tinha pensado em fazer essências em casa, mas depois que vi a ideia no blog Criatividade em Movimento pensei "E porque não?". A ideia era mesmo fazer essência de baunilha, mas logo por azar nesses dias não encontrei vagens de baunilha à venda.
Como no blog era dada a dica que se podiam fazer outras essências, e como gosto muito do aroma de café e canela nas sobremesas, resolvi fazer estas duas essências, que saem muito mais baratas do que as de compra, e que podemos sempre fazer em maior quantidade para oferecermos a quem mais gostamos...
4 paus de canela
20 grãos de café
vodka q.b.

Colocar os paus de canela num frasco previamente esterilizado.
Colocar os grãos de café noutro frasco.
Encher ambos os frascos com vodka, tapando bem de modo a que fique perfeitamente vedado.
Deixar repousar no mínimo por 2 meses e depois usar em bolos e sobremesas á escolha.

Nota: como podem verificar, passados dois meses a vodka escurece e fica com o aroma do ingrediente que está no frasco (tive que trocar o frasco com os grãos de café, pois não vedava convenientemente).
Estas essências foram feitas no final de Novembro e já foram usadas em sobremesas, que postarei assim que possível.
Há um ano atrás falei-vos de: Bolo de Bolacha com Mousse de Chocolate

terça-feira, 17 de Maio de 2011

"REFÚGIO"


Nora Roberts é sempre Nora Roberts e o resto é conversa... Esta autora, nas suas obras, consegue sempre prender-nos até à última página, nunca fazendo com que percamos o interesse ao longo do desenrolar da história.
Este livro situa-se entre o romance e o policial, está repleto de momentos fortes e muito misteriosos.
Mais uma belíssima escolha para a Academia dos Livros.

Jo Ellen, fotógrafa de renome, pensava ter fugido à casa chamada Refúgio há muito tempo. Ali passara os seus anos mais tristes, depois do desaparecimento inesperado da mãe.
Contudo, a casa que encima as encostas exóticas da uma ilha ao largo da Geórgia continua a assombrá-la. E agora, mais assustadoras, ainda são as fotografias que alguém lhe começa a enviar: primeiro planos sinistros e puros, culminando no retrato mais chocante de todos, o da mãe... nua, bela e morta.
Jo terá de regressar à ilha da sua infância e à família que procurou esquecer. Com a ajuda de um homem descobrirá toda a verdade sobre o trágico passado.
Mas o seu Refúgio pode revelar-se o local mais perigoso de todos...

Notas sobre a autora:
Com mais de 400 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, e mais de 60 bestsellers na lista do New York Times, Nora Roberts é uma das autoras mais lidas, acarinhadas e respeitadas do mundo. Foi a primeira autora a ser convidada para o Romance Writers of America Hall of Fame.
Nascida em Silver Spring, Maryland, Nora Roberts é a mais nova de cinco filhos. Vive em Keedysville onde continua a escrever.

sábado, 14 de Maio de 2011

BIFE COM MOLHO DE WHISKY

De vez em quando "cravo" o meu marido para ir às compras por mim, pois há dias em que não tenho a mínima pachorra para andar metida nos supermercados.
Num desses dias, numa passagem que o meu marido fez pelo Lidl, trouxe um folheto com esta receita de bifes que experimentei assim que tive oportunidade.
(ainda bem que o Blogger está de volta e parece que a funcionar bem, pois ontem foi um martírio com o sistema "fora de ordem" e as postagens desaparecidas).

800gr de bife da alcatra de novilho
2dl de natas
2 colheres de sopa de margarina
2 colheres de chá de mostarda de Dijon
2 cálices de whisky
3 dentes de alho
sal e pimenta

Derreta um pouco de margarina numa frigideira e aloure os dentes de alho fatiados.
Introduza os bifes e frite-os rapidamente. Depois tempere com sal e pimenta e retire-os da firgideira.
Acrescente um pouco mais de margarina e deixe derreter.
Num recipiente à parte, misture o whisky com a mostarda e adicione as natas.
Leve de novo ao lume e quando levantar fervura introduza os bifes.
Rectifique os temperos. Deixe apurar até o molho espessar e a carne estar no ponto pretendido.
Decore com grãos de pimenta e sirva de imediato.
Bem sei que estes molhos não são muito saudáveis, mas... um dia não são dias, certo?
Mais uma ideia para reciclar materiais que temos em casa: já pensaram em aproveitar as latas que por vezes jogamos para o lixo?
Decoradas com um pouco de imaginação dão umas latas muito giras para guardar biscoitos, pacotes de chá, pacotinhos de açucar, etc...

Há um ano atrás falei-vos de: Moelas Assadas

quinta-feira, 12 de Maio de 2011

MANJAR DE GEMAS

Uma sobremesa retirada dos fascículos da revista "TV 7Dias" que bem me enganou.. lol... segundo a revista esta sobremesa dá para 6 pessoas, mas fica tão minúscula que custa a dar para 3.. eh eh eh.
Mas uma coisa é certa: fica muito boa.
150gr de açucar

1,5dl de água
6 gemas
2 claras
1 limão (raspa)
280gr de bolo de chocolate

Misture o açucar com a água e leve ao lume até atingir ponto-de-pérola (quando se verte um pouco de calda de açucar, de uma colher, forma-se um fio resistente, cuja extremidade é semelhante a uma pérola).

Bata as gemas e, separadamente, as claras em castelo. Envolva os dois preparados e acrescente a raspa de limão. Envolva delicadamente este preparado na calda de açucar e leve de novo a lume brando.
Mexa com cuidado, mantendo ao lume durante sensivelmente um minuto, depois de levantar fervura.
Retire o creme e distribua por taças, decorando com o bolo de chocolate esmigalhado.

domingo, 8 de Maio de 2011

"A RECORDAÇÃO DA CORRIDA"


O pouco tempo disponível não me tem permitido ler muito e à noite, antes de dormir, não consigo ler mais do que duas ou três páginas antes de ficar com os olhos pesados, por isso andava a com este livro "empatado" há mais de duas semanas. Acho que isto será um claro sinal que estou a ficar velha... lol.
Mas finalmente terminei de ler esta obra de grande qualidade. Se no início me pareceu um pouco confusa, quando se toma "o fio à meada" lê-se num instante, por isso na tarde ontem li a última metade do livro.
Uma história muito bonita de alguém que anda a tentar reencontrar-se e fazer as pazes com o passado. Mais uma sugestão para a Academia dos Livros.

Neste romance fascinante, o leitor trava conhecimento com Smithson (Smithy) Ide, um beberrão de quarenta e três anos, com excesso de peso, sem amigos, fumador compulsivo, que trabalha como inspector de controlo de qualidade numa fábrica de brinquedos. Na opinião de todos, em especial dele próprio, é um falhado.
É então que, no espaço de uma semana, os seus pais, a quem adora, morrem num acidente de automóvel, e Smithy fica a saber que o cadáver de Bethany, a irmã que sofria de distúrbios emocionais, e cujo paradeiro há muito se desconhecia, aparecera numa morgue de Los Angeles.
Tendo visto quebrarem-se todas as amarras com a perda da família - Smithy sempre acalentara a esperança do regresso da irmã - desce o caminho de acesso da casa dos pais montado na sua velha bicicleta Raleigh e lança-se numa viagem épica que o vai fazer atravessar literalmente todo o país.
Sempre a pedalar, percorre a América e encontra a humanidade com tudo o que ela tem de melhor e de pior, ao mesmo tempo que recorda a sua vida passada, que a ingestão de demasiadas cervejas havia obliterado.

Notas sobre o autor:
Ron McLarty (nascido em 26 de abril de 1947) é um americano actor, dramaturgo e autor. Começou sua carreira no teatro durante a década de 1970, continuou com a produção quando se mudou para a Broadway em 1972. Apesar de ter desfrutado de uma carreira bem sucedida como actor, ele não teve muita sorte em encontrar uma editora para seu romance A Memória da Corrida, até que Stephen King elogiou-o como "o melhor livro você não pode ler. " Isto levou à publicação do livro pela Viking Press, e sua rápida ascensão ao estatuto de bestseller.

quinta-feira, 5 de Maio de 2011

PERNA DE PERÚ AGRIDOCE

A falta de tempo é uma coisa incrível e tempo é o que eu não tenho tido nos últimos dias, por isso os cozinhados têm-se resumido a coisas simples e de preferências pratos de forno, em que é só meter o tabuleiro "lá para dentro" e já está.
Foi o que aconteceu no dia em que preparei esta perna de perú, que ficou com um sabor bastante agradável...
1 perna de perú com cerca de 2kgs
2 laranjas
2 limões
sal
pimenta em grão
1 cálice de vinho do Porto
4 colheres de sopa de mel
3 colheres de sopa de vinagre
1 colher de chá de colorau em pó
1dl de azeite
1 cebola
1 ramo de salsa
1dl de vinho branco

Pedir no talho para darem uns golpes na perna de perú  e colocar a carne a marinar coberta da água, com uma laranja e um limão em rodelas, sal, pimenta em grão e o vinho do Porto. Deixar de um dia para o outro.
Colocar num tabuleiro a cebola em rodelas e metade do ramo de salsa.
Fazer uma pasta misturando o mel, o vinagre, o azeite, o sumo da outra laranja e do outro limão. Barrar a carne de ambos os lados com a pasta, colocando dentro dos cortes da carne as rodelas de limão e laranja retiradas da marinada.
Colocar a carne no tabuleiro e por cima colocar mais rodelas de cebola e a restante salsa.
Regar com o vinho branco e levar ao forno, a 180º, durante 1,5 horas, regando com um pouco de líquido da marinada se achar necessário.
Servir, assim que a carne estiver tostadinha, com acompanhamento a gosto.