Sugestões para oferecer ou para ler...


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

"A RAPARIGA NO GELO"

Sem dúvida um dos melhores policiais que li nos últimos tempos: capítulos curtos, personagens muito bem colocadas durante a acção, com personalidade vincada que nos fazem envolver na história do início ao fim.
Este é daqueles livros que não tem momentos "mortos" e que nos consegue prender a atenção a aguçar a curiosidade a cada virar de página, sendo que o final é verdadeiramente alucinante e surpreendente.

Quando um rapaz descobre o corpo de uma mulher debaixo de uma espessa camada de gelo num parque do sul de Londres, a inspetora-chefe Erika Foster é imediatamente chamada para liderar a investigação. A vítima, uma jovem bela e rica da alta sociedade londrina, parecia ter a vida perfeita. No entanto, quando Erika começa a investigar o seu passado, vislumbra uma relação entre aquele homicídio e a morte de três prostitutas, encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, abandonadas nas águas geladas de outros lagos de Londres.
A sua última investigação deu para o torto, e agora Erika tem a carreira presa por um fio. Ao mesmo tempo que luta contra os seus demónios pessoais, enfrenta um assassino altamente mortífero e que se aproxima tanto mais dela quanto mais próxima ela está de expor ao mundo toda a verdade. Conseguirá Erika apanhar o assassino antes de ele escolher a próxima vítima?
Notas sobre o autor:
Robert Bryndza é autor, entre outros, do bestseller internacional A Rapariga no Gelo, n.º 1 na Amazon, no USA Today e no The Wall Street Journal. Os seus livros venderam cerca de dois milhões de exemplares e foram, até ao momento, traduzidos em 26 idiomas.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

PASTÉIS DE FRANGO COM LEGUMES

Cá em casa os restos de frango assado acabavam sempre em quiche ou desfiado em saladas... por isso desta vez resolvi optar por outra opção e fazer um petisco diferente (se bem que as opções que mencionei anteriormente são igualmente deliciosas).
Para quem tem em casa crianças renitentes em comer legumes, esta é uma óptima forma de os "mascarar" e de conseguir uma refeição saudável e equilibrada.
As quantidades são a olho e a ao gosto de cada um e fia uma excelente opção para comer no conforto do lar ou para levar para a praia.
Restos de frango assado
Bróculos
Cenoura
Salsa
Cebola
2 ovos + 2 claras
1/2 chávena de farinha de linhaça
queijo ralado q.b.

Colocar na picadora os restos de frango assado juntamente com os legumes escolhidos (podem ser outros diferentes dos que mencionei acima), a cebola e a salsa. Picar tudo de modo a que fique uma mistura homogénea.
Colocar numa taça, juntar os ovos batidos, as claras, a farinha de linhaça e o queijo ralado, temperando com sal e pimenta a gosto. A massa deverá ficar ligeiramente consistente e fácil de moldar pelo que, se for necessário, poderá ter que adicionar mais um pouco de farinha.
Com a ajudar de duas colheres de sopa moldar os pastéis, colocar num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno, pré-aquecido a 180º, durante 15 a 20 minutos.
Servir com salada.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

"A FILHA DO PESCADOR"

Foi a minha estreia e fiquei agradavelmente surpreendida, o que me fez ficar com vontade de ler mais livros escritos por ela.
A história gira em torno de Raffaella, jovem filha de um pescador, que desde criança se apaixonou por um rapaz da terra, de famílias abastadas. Chega finalmente a altura em que casam e a vida que Raffaella pensou ser de sonho, rapidamente se transforma em pesadelo, com a morte precoce do jovem marido.
A partir daí, visto que é rejeitada pela família do marido, tem que se fazer à vida e arranja emprego.
Começa então a conhecer novas pessoas e novas realidades, nunca desfazendo os laços com o passado e sem esquecer a memória do falecido marido.
No meio de todo este enredo há a construção de uma estátua na vila onde vive, ideia acarinhada por uns e odiada por outros, facto que também vai fazer com que Raffaella seja apanhada na teia dos acontecimentos.
Livro recomendado a quem gosta de leitura fácil e relaxante.

Raffaella Moretti, de longe a rapariga mais bonita de Triento, no Sul de Itália, está prestes a casar com o único rapaz que alguma vez amou e que, afortunadamente, é proveniente da família mais rica da cidade. A vida parece sorrir-lhe de tal forma que ela está longe de imaginar que passado muito pouco tempo será viúva e ganhará a vida limpando uma casa que não é a sua. À medida que Raffaella luta para reconquistar a sua felicidade perdida, apercebe-se que há todo um mundo lá fora a que, até então, era alheia. Ao desvendar histórias de engano, mistério, luxúria e amores perdidos, a jovem tenta ajudar as pessoas que a rodeiam. Há Silvana, com a sua paixão mal escondida; Carlotta, a filha do jardineiro, que carrega uma misteriosa dor; e o simpático e gentil dono do Gipsy Tearoom. Mas à medida que as suas vidas se interligam, Raffaella é atirada para o centro de um conflito que ameaça não apenas dividir Triento, mas também destruir tudo o que lhe é querido.
Recheado da mais saborosa comida, pleno de paixão e mistérios, A Filha do Pescador decorre numa cidade com tanta personalidade que não é difícil perdermo-nos nas suas ruas, esplanadas, mercados e pizarias, que constituem, afinal, o mundo de Raffaella, e tornarmo-nos numa pequena parte do interminável espectáculo da sua vida.
Notas sobre a autora:
Nicky Pellegrino nasceu em Liverpool, filha de mãe inglesa e de um italiano apaixonado pela gastronomia do seu país. Esse fascínio pela culinária foi herdado por Nicky, que transpõe para as suas obras de ficção verdadeiros festins de aromas e sabores, que aguçam o apetite de tão vívidos. A viver atualmente na Nova Zelândia, com o marido, dois cães e dois cavalos, Nicky dedica o seu tempo ao jornalismo em regime freelance e à escrita de romances. Os seus livros foram já traduzidos para doze línguas.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

PIZZA PALEO

Das coisas que eu mais gosto de comer é uma boa fatia de pizza, com diversos ingredientes na sua guarnição e com montes de queijo derretido por cima.
Há certas dietas e estilos alimentares em que pizzas são alimentos proibidos, mas felizmente no estilo de vida Paleo, desde que se saibam adaptar os ingredientes, não há proibições... basta fazer uso dos nossos conhecimentos e colocar mãos à obra na cozinha.
Aqui fica o exemplo de uma pizza deliciosa, sem glúten, para comer sem pesos na consciência!
Para a base da pizza:
6 ovos médios
30gr de quejo ralado
2 colheres de sopa de polvilho azedo
1 colher de chá de fermento em pó
sal e pimenta q.b.

Bater os ovos com o queijo ralado. Juntar os restantes ingredientes, batendo bem, de modo a que fique bem envolvido
Forrar um tabuleiro com papel vegetal, colocar a massa da pizza, dando o formato desejado, e levar ao forno, pré-aquecido a 180º, durante 15 minutos.

Retirar do forno, guarnecer a gosto, cobrir com queijo ralado e levar ao forno novamente até o queijo derreter.
Neste caso cobri com molho de tomate caseiro, cebola em rodelas, pimento e couve roxa em tiras, cogumelos, bimis (bróculos bébés), bacon e queijo ralado.
Mais 10 minutos de forno e fica pronto a servir.
Quem disse que Paleo não pode comer pizza?

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

SOPA DE BELDROEGAS

Há muitos anos que não consumia beldroegas, mas aproveitando que uma amiga me deu um molho grande, resolvi fazer uma sopa deliciosa, usando uma receita do site Mundo de Receitas Bimby, mas adaptando os ingredientes à minha maneira.
Podem achar estranho uma receita de sopa em pleno mês de Agosto, mas eu consumo sopa o ano inteiro, independentemente da estação do ano em que estamos...
1 curgette grande
1 batata doce
2 dentes de alho
1 cebola pequena
2 cenouras
folhas de beldroegas q.b.
1 raminho de coentros
700gr de água
sal e azeite q.b.

Arranje as folhas de beldroegas e dos coentros e coloque na Varoma.
No copo coloque a curgette e a batata doce, descascadas e cortadas em cubos, as cenouras às rodelas e os alhos e a cebola. Junte a água, tape o copo, coloque por cima a Varoma e programe 25 minutos, temperatura Varoma, velocidade 1.
Retire a Varoma, tape o copo e triture a sopa durante 1 minuto, progressivamente nas velocidades 3-5-7.
Junte ao copo as beldroegas e os coentros reservados, adicione o azeite e programe 5 minutos, 100º, velocidade colher inversa.
Sirva de seguida.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

"AS RAPARIGAS DO ROSÁRIO"

Livro fantástico que a cada capítulo nos faz aumentar a adrenalina e nos deixa com pele de galinha... o cariz religioso ligado à história está muito bem inserido à medida que o trama se vai desenrolando.
O mistério do aparecimento de várias jovens mortas, com as mãos unidas em prece e aparafusadas uma à outra, com um rosário entre elas, faz com que os detectives andem às voltas até perceberem o "modus operandi" do assassino.
Confesso que durante a leitura "angariei" dois suspeitos, mas nenhum dos dois era o culpado... o final é deveras surpreendente e arrebatador.
Leitura recomendada a 100%.

Uma das vozes mais poderosas e de maior talento da actualidade dá vida a um thriller moderno de grande pujança baseado numa ideia de vingança e revolta. Chase, motorista de ambulâncias fica traumatizado desde o dia em que perdeu a filha por não ter chegado a tempo ao hospital não conseguindo evitar que a sua mulher abortasse no caminho. A partir daí, a sua sede de castigar jovens que planeiam suicidar-se assume contornos assassinos sendo o seu alvo raparigas pertencentes a colégios católicos. As execuções obedecem a um ritual meticulosamente planeado: primeiro a fase da oração e em seguida a tortura e execução, sendo as mãos das escolhidas aparafusadas em oração eterna segurando um rosário a que falta um número diferente de contas em cada crime. Antes que o ciclo fique completo, torna-se urgente identificar e capturar o assassino que está a assombrar Filadélfia. Um thriller de elevado suspense e acção que mantém o leitor a desconfiar de várias personagens.
Notas sobre o autor:
Richard Montanari nasceu em Cleveland, no seio de uma família ítalo-americana. Após terminar uma licenciatura na Universidade de Case Western Reserve, decidiu partir à descoberta da Europa. Mais tarde, depois de regressar aos Estados Unidos, tornou-se escritor freelancer. Conheceu o sucesso em 2005 com a publicação deste livro. Além de romancista, é ainda argumentista e ensaísta, tendo colaborado com o Chicago Tribune e o Seattle Times.