Sugestões para oferecer ou para ler...


domingo, 21 de dezembro de 2014

"O JARDIM ENCANTADO"

Este livro foi a minha estreia com esta autora, mas já cá tenho em casa os restantes livros de Sarah Addison Allen para ler, e se forem todos como este tenho a certeza que vou gostar muito.
A primeira palavra que me vem à cabeça para descrever o livro é "mágico"... a história é simples, mas linda e envolvente, com um toque de fantasia que dá um toque de magia a toda a narrativa.
O regresso inesperado de Sydney à sua terra natal, acompanhada da sua filha Bay, tendo-se instalado na casa da sua irmã Claire, todos os acontecimentos que levaram ao regresso de Sydney, as recordações do passado, os projectos para o futuro, tudo isto acompanhado de perto por um jardim encantado em que vive uma macieira muito estranha...
Nem vou dizer mais nada, devem mesmo ler o livro... e acho que a magia que transborda em cada página é ideal para ser desfrutada nesta época natalícia.
Num jardim escondido por trás de uma tranquila casa na mais pequena das cidades, existe uma macieira e os rumores que circulam dão conta de que dá um tipo muito especial de fruto. Neste encantador romance, Sarah Addison Allen conta a história dessa árvore encantada e das extraordinárias pessoas que dela cuidam...
As mulheres da família Waverley são herdeiras de um legado mágico — o jardim familiar, famoso pela sua macieira, que produz frutos proféticos, e pelas suas flores comestíveis, imbuídas de poderes especiais que afectam quem quer que as coma.
Proprietária de uma empresa de catering, Claire Waverley prepara pratos com as suas plantas místicas — desde as chagas que ajudam a guardar segredos até às bocas-de-lobo destinadas a desencorajar intenções amorosas. Entretanto, a sua idosa prima Evanelle é conhecida por distribuir presentes inesperados cuja utilidade se torna mais tarde misteriosamente clara. São elas os últimos membros da família Waverley — com excepção da rebelde irmã de Claire, Sydney, que fugiu da cidade há muitos anos.
Quando Sydney regressa subitamente a Bascom com uma filha pequena, a tranquila vida de Claire sofre uma reviravolta, bem como a fronteira protectora que erigiu tão cuidadosamente em redor do seu coração. Juntas uma vez mais na casa onde cresceram, Sydney reflecte sobre tudo o que deixou para trás ao mesmo tempo que Claire se esforça por sarar as feridas do passado. E em pouco tempo as irmãs apercebem-se de que têm de lidar com o seu legado comum para viverem as alegrias do futuro que se anuncia.
Encantador e pungente, este fascinante romance irá, seguramente, enfeitiçar o leitor.
Notas sobre a autora:
Sarah Addison Allen nasceu em Asheville, na Carolina do Norte. Licenciada em Literatura, a autora dedica-se actualmente ao seu terceiro romance.
Os direito de O Jardim Encantado, a sua obra de estreia foram cedidos para 15 países e só nos Estados Unidos venderam-se mais de meio milhão de exemplares. O livro foi distinguido com o prémio SIBA Novel of The Year, atribuído pela Associação de Livreiros Independentes do Sul ao melhor romance de 2008. Em Portugal, O Jardim Encantado foi igualmente um êxito, com mais de 10 mil livros vendidos. O Quarto Mágico, o seu primeiro livro, foi eleito Romance Feminino do Ano pela revista Romantic Times.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

TIRAMISÚ (COM OVOS)

Aqui está uma sobremesa deliciosa que eu nunca tinha experimentado a fazer. Encontrei várias receitas, umas com ovos e outras sem ovos, mas desta vez decidi-me por esta receita da Luisa Alexandra que ficou uma delícia.
Usando a ajuda do robot de cozinha Mycook foi num instante e sem dar trabalho nenhum. Não tenho fotos do interior do doce pois não foi comido em casa, mas garanto que estava muito bom!
2oogr de palitos La Reine
80gr de açucar
200gr de queijo Mascarpone
2 ovos
2 folhas de gelatina incolor
café para demolhar os palitos
cacau em pó para polvilhar

No copo da Mycook colocar o açucar e pulverizar 10 segundos nas velocidades 6-8-10.
Adicionar as gemas e bater 2 minutos na velocidade 5.
Juntar o queijo Mascarpone e misturar 30 segundos na velocidade 5.
Demolhar as folhas de gelatina em água fria e dissolvê-las num pouco de água a ferver. Juntar ao preparado e misturar 15 segundos na velocidade 5.
À parte bater as claras em castelo bem firme (juntar uma pitada de sal que ajuda a montar) e misturar o preparado de queijo com as claras delicadamente.
Fazer café forte adoçado com um pouco de açucar (também coloquei umas gotas de licor de laranja para aromatizar) e demolhar os palitos no café morno (o café não deve estar excessivamente quente para que os palitos não se desfaçam). Colocar uma camada de palitos demolhados em café no fundo de um pirex.
Cobrir com uma camada de creme, polvilhando de seguida com um pouco de cacau em pó.
Voltar a colocar mais uma camada de palitos demolhados em café e cobrir com uma última camada de creme de queijo, polvilhando generosamente com o cacau em pó.
Levar ao frigorífico umas horas antes de servir.

domingo, 14 de dezembro de 2014

"UMA VILLA EM ITÁLIA"

Este é o que eu chamo de um livro "morno", daqueles que eu tenho que fazer um esforço enorme para ler até ao final... e se fiz esse esforço é porque me diziam maravilhas desta autora e deste livro.
O enredo da história até não é mau: 4 pessoas, que não se conhecem de parte alguma, são chamadas a comparecer numa Villa em Itália por causa de uma herança deixada por alguém que nunca conheceram.
No final da história percebe-se que a vida destas pessoas já se tinha cruzado no passado, sem que as mesmas tivessem dado conta... 
A autora poderia ter explorado melhor a história, criando cenas mais intrigantes e divertidas, já que tinha um bom lote de personagens que poderiam ter "desabrochado" de outra forma.
Daí ter achado a leitura muito parada e sinceramente não fiquei com vontade de ler mais nenhum livro desta autora.
Quatro pessoas aparentemente sem nada em comum vêem o seu nome mencionado no testamento de uma mulher que não conhecem. Quem foi Beatrice Malaspina e porque exige que compareçam na sua villa em Itália? Enquanto esperam pelas respostas, a magia do lugar começa a exercer os seus efeitos sobre eles: os frescos desbotados, os jardins exuberantes e a magnífica torre medieval não se assemelham a nada que já tenham visto. Aos poucos, quatro pessoas que sempre fizeram os possíveis por esconder os seus problemas descobrem que a mudança - e até mesmo a esperança - é possível. Mas a misteriosa Beatrice tem um segredo que os afectará a todos…
Notas sobre a autora:
Elizabeth Edmondson nasceu no Chile e cresceu em Calcutá e Londres, antes de ir estudar para Oxford. Divide actualmente o seu tempo entre Itália e Inglaterra. Está casada com um historiador de arte e tem dois filhos. A história de A Casa do Lago foi inspirada por uma velha fotografia de uma excêntrica tia-avó e pelas ricas e abundantes memórias e histórias familiares da vida na região dos lagos na década de 1930. Na ASA estão também publicados, com grande sucesso, os seus romances Uma Villa em Itália, A Arte de Amar e A Casa do Lago.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

DOURADA AO SAL

Aqui está uma receita que há muito tempo ouvia falar e que nunca tínhamos experimentado cá em casa... tem tanto de simples como de delicioso, é uma maneira muito saudável de preparar o peixe, sendo que fica um prato tão suculento que é de comer e chorar por mais.
Este prato foi inteiramente confeccionado pelo meu marido, que decidiu arriscar e saíu-se muitíssimo bem! Não tenham receio que o peixe fique excessivamente salgado... não fica de todo, o sabor é espectacular.
 2 douradas
3kgs de sal grosso
um ramo de salsa
2 claras de ovo

Arranjar o peixe (dourada, robalo ou outro peixe de escama à escolha) retirando apenas as barrigas, mas deixando as escamas, tendo o cuidado de verificar que não existem fendas na pele do peixe.
Num tabuleiro colocar uma grossa camada de sal, cobrindo todo o fundo.
Por cima colocar o peixe, colocando no interior das barrigas um generoso ramo de salsa.
Misturar o restante sal com as claras de ovo e cobrir todo o peixe, de modo a formar uma "carapaça" de sal.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º, por cerca de 40 minutos.
Retirar do forno, partir a "carapaça" de sal com a ajuda de um martelo de cozinha ou de uma faca e retirar toda a pele do peixe (que sai facilmente).
Servir com legumes cozidos ou com uma salada a gosto.
Fica com um sabor tão natural e suculento que dá vontade de fazer este prato todos os dias.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

"LEMBRANÇAS MACABRAS"

Esta é daquelas autoras que nunca me canso de ler... mais uma vez um livro fantástico, carregado de suspense e mistério.
Uma história que gira em torno da Arqueologia, mumificação de cadáveres, museus, artefactos, etc... e mistério capaz de nos fazer roer as unhas e ficar acordados até altas horas para avançar na leitura.
Os segredos do passado a qualquer momento podem voltar para assombrar a vida de quem os teme e de quem tenta à força esquecê-los.. se tiverem coragem embarquem nesta aventura empolgante.

Este é sem dúvida um livro fabuloso para vos fazer companhia nestas frias tardes de Inverno.
Quando o pessoal do Museu Crispin de Boston encontra nas suas caves uma múmia em perfeito estado de conservação, tudo indica tratar-se de um artefacto egípcio milenar, que poderá significar um novo fôlego para a instituição, cuja manutenção está em risco. Porém, quando a doutora Maura Isles analisa a múmia, apelidada de Madame X, para certificar a validade arqueológica do achado, faz uma descoberta horripilante: uma mensagem macabra que sugere que o cadáver «antiquíssimo» é afinal uma vítima de homicídio bem moderna.
Para Maura e para a detetive Jane Rizzoli, as provas forenses são inequívocas, e ao surgir um cadáver de outra mulher nas caves do museu, torna-se evidente que há um assassino à solta, inteligente e diabólico, que se diverte a provocar tanto as vítimas como a polícia. 
Quando Josephine Pulcillo, uma das arqueólogas do museu, descobre um terceiro cadáver no seu próprio carro, as peças do puzzle começam a amontoar-se… até que a própria Josephine desaparece, lançando Maura e Jane numa luta contra o tempo para tentarem salvar-lhe a vida. Conseguirão elas impedir o «assassino arqueólogo» de juntar mais uma peça à sua macabra colecção?

Notas sobre a autora:
De ascendência chinesa, Tess Gerritsen cresceu nos EUA e formou-se em Medicina na Universidade da Califórnia. Após o nascimento dos filhos, começou a escrever ficção, e em 1987 publicou o seu primeiro romance. Em 1996 publicou o seu primeiro thriller médico, Harvest, a que se seguiu este O Cirurgião e O Aprendiz, entre outros, protagonizados pela detective Jane Rizzoli. Com o sucesso alcançado, a autora desistiu da carreira em Medicina e dedicou-se à escrita a tempo inteiro. A sua obra está traduzida em mais de 30 línguas e já vendeu mais de 20 milhões de exemplares em todo o mundo.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

"ÉS O MEU DESTINO"

Quem lê Lesley Pearse pela primeira vez fica fã, de certeza absoluta. Sigo esta autora desde que o seu primeiro livro foi lançado em Portugal e cada vez gosto mais da sua escrita.
Fiquei agradavelmente surpreendida com o lançamento deste último livro, pois não sabia que a história de Belle iria ter continuação... é tão lindo o livro, tão comovente e tão tocante que estou a torcer para que a autora dê seguimento à história, com Belle, Étienne, Mog e desta vez a recém-casada Mariette.
Uma vez mais uma história de coragem no feminino, de amizade, audácia e acima de tudo muito amor.
1938. A Nova Zelândia é um país belo e tranquilo. Um paraíso de onde Mariette, filha de Belle e de Étienne, só pensa em fugir. Cansada da tacanhez da pequena cidade onde vive, ela está disposta a embarcar para a Europa mesmo sabendo que essa viagem poderá ser-lhe fatal. O mundo prepara-se para a guerra, mas, para a irreverente Mariette, ficar é uma alternativa bem pior. Chegada a Londres, a jovem depressa se deixa encantar pelas suas tentações e esquece o breve vislumbre que teve do amor. Londres é tudo aquilo com que sempre sonhou. Mas a noite do seu vigésimo-primeiro aniversário vai mudar tudo. Os violentos bombardeamentos nazis transformam a cidade mais vibrante da Europa num pesadelo de terror, devastação e morte. Pela primeira vez, ela sente o peso esmagador da solidão. É dos escombros da guerra, porém, que emergirá uma nova Mariette. A adolescente egoísta dá lugar a uma mulher forte, madura e abnegada que está disposta a tudo - até a morrer – para ajudar os mais desprotegidos. E é no seu momento mais vulnerável que o amor lhe bate à porta. Um amor tão inquieto e desesperado quanto o mundo que a rodeia.
Notas sobre a autora:
Uma das escritoras preferidas do público português, Lesley Pearse é autora de uma vasta obra já traduzida para mais de trinta línguas, tendo vendido cerca de três milhões de exemplares. A própria vida da escritora é uma grande fonte de material para os seus romances, quer esteja a escrever sobre a dor do primeiro amor, crianças indesejadas e maltratadas, adopção, rejeição, pobreza ou vingança, uma vez que conheceu tudo isto em primeira mão. Ela é uma lutadora, e a estabilidade e sucesso que atingiu na sua vida deve-os à escrita. Com o apoio da editora Penguin, criou o Women of Courage Award para distinguir mulheres comuns dotadas de uma coragem extraordinária. Para além de Segue o Coração. Nunca Olhes para Trás, na ASA estão já publicados com grande sucesso os seus romancesNunca Me Esqueças e Procuro-te.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

"A FAMÍLIA SOGLIANO"

Ler Sveva Casati Modignani é como estar numa sala quente e aconchegante em que nos sentimos em casa e inteiramente confortáveis. A leitura é tão fácil de ler e ao mesmo tempo tão envolvente que quando damos por nós já temos o livro terminado e ficamos com aquela sensação de "queria mais"!!!
A trama deste livro gira em torno de uma família poderosa, ligada ao ramo do coral, em que depois da morte do membro principal da família - Edoardo - que coincide com a descoberta de uma notícia surpreendente e nada agradável à primeia vista, há o ter que saber recomeçar de novo, o aceitar, o perdoar, o não fazer julgamentos e, acima de tudo, valorizar e compreender o verdadeiro significado da palavra Amor.
Uma história linda, com capítulos curtos e rápidos de ler, que nos faz devorar este livro com avidez e satisfação. Sem dúvida uma boa companhia para as tardes de Inverno.
É um fim de dia de maio quando na residência setecentista da família Sogliano, toca o telefone. A família está reunida para o jantar: Orsola, mulher de Edoardo, os cinco filhos do casal, a sogra, Margherita, e as suas duas filhas. Estão todos à espera de Edoardo. É Orsola quem atende, e toma conhecimento, através da voz formal de um polícia, da morte do marido num acidente de automóvel. O golpe é tremendo: trinta anos de amor despedaçados num instante. Mas Orsola não pode saber que aquela mágoa avassaladora se vai transformar em breve numa dor ainda mais profunda, no momento em que descobre uma série de fotografias recentes do marido na companhia de um bonito rapazinho de olhos amendoados, que assina: «O teu filho Steve».
A partir deste início fulgurante, Sveva conta-nos a história daquela família ligada à indústria do coral nos últimos dois séculos. A história de Orsola - uma mulher livre e independente de Milão; de Edoardo - o herdeiro da mais importante família do coral de Torre del Greco, mas também a história de Margherita - uma mulher do sul, orgulhosa e de coração generoso.

Uma vez mais, Sveva Casati Modignani envolve o leitor numa história apaixonante de uma grande família, entre amores, luzes e sombras, alegrias e sofrimentos, sucessos e falhanços, tendo como pano de fundo um ambiente tão insólito quanto fascinante e pouco conhecido: o mundo do coral, essa matéria-prima que nos encanta há milhares de anos.

Notas sobre a autora:
Reconhecida como a signora do bestseller italiano, Sveva Casati Modignani é exímia em presentear os seus leitores com histórias repletas de enredos femininos e envolventes. 
As suas obras estão traduzidas em 17 países e já venderam mais de dez milhões de exemplares.
No catálogo da Porto Editora figuram já os seus romances Feminino Singular,Baunilha e ChocolateO Jogo da VerdadeDesesperadamente GiuliaO Esplendor da VidaA SicilianaMister GregoryA Viela da Duquesa e Um Dia Naquele Inverno.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

PÃO RECHEADO COM ALHEIRA

Uma receita que não tem segredo absolutamente nenhum... pode ser feita das mais variadas maneiras e usando diferentes ingredientes. O pão recheado é bom para servir de entrada num jantar de amigos, para um lanche tardio ou para uma ceia fora de horas... o que é certo é que é uma fórmula que sai sempre bem e não tem nada que enganar.
Desta vez para o recheio usei uma alheira que me ofereceram vinda directamente de Chaves.

1 pão rústico (de preferência com um formato arredondado)
1 alheira
1/2 cebola picada
1 dente de alho picado
queijo Emmental e queijo mozzarella ralados
1 colher de sopa de maionese
1 colher de sopa de ketchup
salsa picada q.b.

Cortar uma espécie de tampa no pão e com a ajuda de uma colher retirar o miolo do interior, tentando deixá-lo em pedaços.
Retirar a pele da alheira e misturar com a cebola picada, o alho e os queijos. Envolver com a maionese e o ketchup para ficar tudo ligado (não usei sal pois o sal dos queijos e da alheira já são suficientes).
Rechear o pão com a mistura, colocar num prato que possa ir ao forno, rodear com os pedaços de miolo de pão que se reservou, polvilhar com um pouco de salsa picada e levar ao forno, a 180º, durante cerca de 20 minutos, ou até que o queijo esteja derretido e o pão tostado.
Retirar, polvilhar com mais um pouco de salsa picada e servir com os pedaços de pão tostados ou com tostas.