Sugestões para oferecer ou para ler...


sábado, 3 de abril de 2021

"UMA HORA DE VIDA"


Gosto bastante deste autor, mas este volume não me pareceu tão bom como os anteriores (durante a leitura estive hospitalizada por duas vezes, talvez tenha sido por isso que não consegui desfrutar tanto da leitura). 
A personagem da jornalista Garanita já começa a tornar-se deveras irritante ao longo das obras e neste volume fiquei com a ideia que a dupla de detectives esteve menos activa e enérgica.
O final foi claramente previsível, coisa que não aconteceu nas obras anteriores.
Esperemos pelo próximo volume, que talvez nos traga mais alguma adrenalina.

O que faria se recebesse uma chamada a dizer:
«Tens uma hora de vida»?
Estas são as únicas palavras recebidas num ameaçador telefonema. A seguir, desligam. Certamente que só pode ser uma brincadeira… Um engano? Um número errado? Qualquer coisa menos a verdade arrepiante… Que alguém está a observar, à espera, a trabalhar para roubar uma vida no espaço de uma hora. Mas porquê?
A tarefa de o descobrir recai sobre a inspetora Helen Grace: uma mulher com um histórico de caça a assassinos. No entanto, este é um caso em que o homicida parece estar sempre um passo à frente da polícia e das vítimas. Sem motivo, sem pistas e sem dicas — nada além de puro medo —, uma hora pode parecer durar uma vida inteira…

Notas sobre o autor:M. J. Arlidge trabalha em televisão há mais de 15 anos, tendo-se especializado em produções dramáticas de alta qualidade.
Nos últimos anos, produziu um grande número de séries criminais passadas em horário nobre na ITV, rede de televisão do Reino Unido. Escreveu ainda uma série policial para a BBC, além de estar a criar novas séries para canais de televisão britânicos e americanos.
Os seus livros, traduzidos para várias línguas, são autênticos êxitos de vendas e têm recebido críticas excelentes de todos os meios de comunicação social internacionais.

 

segunda-feira, 15 de março de 2021

BOLACHAS DE ALFARROBA

 

Umas bolachas deliciosas e muito saudáveis para o lanche ou para acompanhar o café depois da refeição. Os mais gulosos podem ser levados a pensar que são bolachas de chocolate, mas não são..
São bolachas de alfarroba, não menos deliciosas que as tradicionais bolachas de chocolate, e muito mais saudáveis. A receita veio do site Made by Choices

100gr de flocos de aveia
3 colheres de sopa de manteiga de amendoim
65gr de farinha de alfarroba
30gr de açucar de coco
180ml de bebida vegetal
1 colher de café de fermento em pó

Pré-aquecer o forno a 180º.
Num processador de alimentos colocar os flocos de aveia e triturar até reduzir a farinha.
Juntar a manteiga de amendoim, a farinha de alfarroba, o açucar de coco, a bebida vegetal e o fermento.
Triturar na velocidade máxima até obter uma massa moldável.
Formar pequenas bolas, achatar um pouco com um garfo, dispôr num tabuleiro e levar ao forno por cerca de 15 a 20 minutos, até dourar.
Retirar do forno e deixar arrefecer completamente antes de servir.

terça-feira, 9 de março de 2021

"DURANTE A QUEDA APRENDI A VOAR"

 

Raul Minh'Alma escreve de uma forma fantástica!!!
Fala de pessoas como nós, com dúvidas e problemas como qualquer um de nós, fazendo-nos acreditar que quando queremos algo, vale a pena lutar por isso e que, durante a luta, é normal existirem medos, indecisões, lágrimas, etc.
Gostei especialmente da forma como neste livro abordou o tema das doenças mentais.
Um autor a seguir, sem sombra de dúvida...

Quando Teresa recebe a notícia de que o pai tem uma depressão, está longe de imaginar que os próximos tempos serão os mais intensos e transformadores da sua vida. Determinada em ajudar o pai, Teresa começa a acompanhá-lo nas terapias de grupo numa clínica de saúde mental.
É aqui que conhece Duarte, o irmão de um paciente internado na clínica, cujo passado permanece envolto em mistério. Ela é resoluta e pragmática, ele romântico e brincalhão, mas, apesar das diferenças, o destino insiste em tentar juntá-los. Tudo se complica quando Teresa começa a ter inexplicáveis pressentimentos e visões. Será que ela é capaz de prever o futuro? E será que Duarte faz parte dele?
Raul Minh’alma é o mais recente fenómeno literário nacional. O autor do livro mais vendido em Portugal no ano de 2019 está de regresso com mais uma história de amor e superação pessoal que promete dar-te ensinamentos essenciais para venceres as fases negativas da tua vida.
PORQUE MESMO QUE DOA PRECISAMOS DE SEGUIR EM FRENTE
Notas sobre o autor:
Nasceu em 1992, é natural do Marco de Canaveses e formado em Engenharia Mecânica na FEUP. Começou a escrever poesia com dezassete anos e em 2011 lançou o seu primeiro livro de poemas com o título Desculpe Mãe. Seguiram-se vários livros até conhecer, em 2016, com apenas vinte e quatro anos, o reconhecimento do público com o bestseller Larga Quem Não Te Agarra, um dos livros de ficção mais vendidos em Portugal, e que chegou ao Brasil em 2017. No mesmo ano, lançou Todos os Dias São para Sempre, confirmando-o como um autor bestseller que conquistou o coração dos leitores portugueses. Em 2018, chegou ao mercado o seu romance Foi sem Querer que Te Quis, que lidera os tops nacionais de vendas, tornando-se a sua obra mais vendida até ao momento. 



segunda-feira, 8 de março de 2021

LOMBOS DE BACALHAU RECHEADOS COM PRESUNTO

Aqui fica um prato com um ar requintado e que à primeira vista poderá parecer que dá muito trabalho a preparar, mas na realidade é muito simples de confeccionar.
A receita foi retirada de uma revista da cadeira de hipermercados Continente e para os apreciadores de bacalhau é um autêntico pitéu!!

2 lombos de bacalhau demolhado 
8 fatias de presunto
azeite q.b.
4 cebolas
4 dentes de alho
pimenta preta q.b.
broa de milho q.b.
500gr de batatas pequenas para assar
sal q.b.
100ml de vinho branco

Dividir os lombos de bacalhau em dois pedaços e dividir os mesmos ao meio. Introduzir as fatias de presunto e fechar com um palito no centro.
Regue o fundo de um tabuleiro com um fio de azeite, acrescente a cebola cortada às rodelas, os dentes de alho picados e os lombos de bacalhau recheados. Tempere com pimenta preta.
Num robot de cozinha triture a broa de milho com um fio de azeite e cubra os lombos com a mesma, pressionando para criar uma capa compacta.
À volta do bacalhau disponha as batatas com casca. Regue tudo com um fio de azeite e tempere com sal e pimenta. Regue ainda as batatinhas com vinho branco.
Leve ao forno, pré-aquecido a 200º, durante cerca de 30 minutos.

sexta-feira, 5 de março de 2021

"O MANUSCRITO DE BIRKENAU"

Não sendo grande fã da escrita de José Rodrigues dos Santos, e tendo em conta que toda a gente me dizia que este volume era muito melhor que o anterior, devo dizer que achei o primeiro livro mais interessante, sendo que neste a personagem Tanusha merecia mais destaque.
De qualquer forma a obra é fantástica, retratando com bastante realismo as atrocidades vividas na época do Holocausto.
Tenho a confessar que no final do livro, durante a leitura do manuscrito, fiquei deveras emocionada...
Auschwitz é o ponto de encontro entre duas figuras singulares. Uma é o Grande Nivelli, o mágico judeu deportado para o campo da morte. A outra é Francisco Latino, o legionário português recrutado pelas SS. Os russos aproximam-se e os nazis preparam-se para o massacre final. Com o fim à vista, o judeu e o português vão unir forças para sobreviver. Ao mesmo tempo, a magia do Grande Nivelli irá desempenhar um papel central no maior acto de resistência contra o Holocausto.

A revolta de Auschwitz.
O Manuscrito de Birkenau conclui a espantosa história iniciada em O Mágico de Auschwitz e revela-nos a Shoah como nunca foi contada. Baseando-se em acontecimentos verídicos e em personagens reais, José Rodrigues dos Santos transporta-nos ao coração do grande campo da morte nazi e desvendanos o papel do misticismo e do esoterismo na Solução Final.
Notas sobre o autor:
José Rodrigues dos Santos nasceu em 1964 em Moçambique. É sobretudo conhecido pelo seu trabalho como jornalista, carreira que abraçou em 1981, na Rádio Macau. Trabalhou na BBC, em Londres, de 1987 a 1990, e seguiu para a RTP, onde começou a apresentar o 24 horas. Em 1991 passou para a apresentação do Telejornal e tornou-se colaborador permanente da CNN entre 1993 e 2002. Doutorado em Ciências da Comunicação, é professor da Universidade Nova de Lisboa e jornalista da RTP, tendo ocupado por duas vezes o cargo de Diretor de Informação da televisão pública. É um dos mais premiados jornalistas portugueses, galardoado com dois prémios do Clube Português de Imprensa e três da CNN, entre outros.

terça-feira, 2 de março de 2021

OMELETE DE FORNO COM CURGETTE


Esta omelete também se pode chamar de quiche ou podem chamar o que vocês quiserem, o que interessa é que é muito fácil e prática de fazer e proporciona uma refeição muito saudável. Mantive o nome da receita original, que retirei da página do Instagram Lowcarb Receitas.
Vamos lá colocar mãos à obra...
1 curgette grande cortada em cubinhos pequenos
5 ovos
1 cenoura média ralada
1 cebola média picada
salsa e cebolinho a gosto
2 colheres de sopa de iogurte grego
1 colher de sopa de fermento
1 colher de sopa de queijo ralado

Lavar e retirar a casca à curgette, cortar em pequenos cubos e reservar.
Bater os 5 ovos e adicionar a cebola, o sal, a salsa, o cebolinho e o queijo. Bater bem até misturar tudo.
Adicionar a curgette e o iogurte grego e misturar com cuidado durante cerca de 15 segundos.
Colocar numa forma untada e enfarinhada, polvilhar a gosto com queijo ralado por cima e levar ao forno, a 180º, durante cerca de 30 minutos.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

BANANA BREAD

Adoro "pães" doces, daqueles que uma simples fatia acompanha na perfeição o café depois de almoço ou nos aconchegam o estômago na hora do lanche.
E também adoro aquelas receitas simples de confeccionar, com poucos ingredientes, em que basta misturar tudo no liquidificador, e esta é uma delas.
A receita veio da página do Instragram Lowcarb Receitas e é uma autêntica delícia.

3 ovos
3 bananas bem maduras
2 colheres de sopa de óleo de coco
1 colher de sopa de manteiga de amendoim ou amêndoa
1 chávena de farinha de amêndoa
1 chávena de farinha de aveia sem glúten
1 colher de sobremesa de canela
1 colher de sobremesa de fermento em pó
 
Colocar todos os ingredientes no liquidificador e bater bem, até obter uma mistura homogéna.
Colocar numa forma de silicone, deitar por cima cacau em pó e um pouco de amêndoa picada.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º, durante cerca de 45 minutos.
Deixar arrefecer um pouco e fatiar.

domingo, 21 de fevereiro de 2021

"DANÇANDO SOBRE VIDRO"

 

História emocionante sobre poder de luta e superação por parte de um casal que tem que enfrentar duas doenças graves e bastantes limitativas, sendo surpreendidos por uma gravidez completamente inesperada e que todos julgavam impossível levar até ao final.
Confesso que me emocionei muitas vezes durante a leitura, não é de todo um livro recomendado a pessoas sensíveis.
É acima de tudo uma lição de amor e coragem que todos devemos seguir...
Dançando sobre Vidro ilustra na perfeição o poder do amor. É uma história de grande intensidade e que nos oferece um olhar íntimo sobre uma relação bela, repentinamente afetada pela doença. Sendo o retrato cru de um casamento que é simultaneamente comum e incomum, ilustra também, na perfeição, o poder do amor e leva-nos numa viagem inesquecível.
Notas sobre a autora:
Ka Hancock tem dois cursos de enfermagem e passou grande parte da sua carreira a trabalhar com pacientes psiquiátricos e de abuso de substâncias químicas. Vive em Salt Lake City com o marido e tem quatro filhos. Dançando Sobre Vidro é a sua estreia literária.
Nasceu e cresceu no Utah na sombra das montanhas mais deslumbrantes à face da Terra. A par de cuidar da família, estudar, trabalhar e tratar da roupa, ela conseguiu escrever um livro que nos oferece um olhar íntimo sobre um amor imperfeito, a perda e o transtorno bipolar. A fé inabalável que ela tem na tenacidade do espírito humano brilha na sua estreia com este livro.