Sugestões para oferecer ou para ler...


sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

"AS RAPARIGAS ESQUECIDAS"

 

Há tanto tempo que tinha este livro em casa que já me arrependo de não o ter lido mais cedo.
Uma história fantástica acerca do assassinato de várias raparigas que, supostamente, já teriam sido dadas como mortas há muitos anos.
As personagens são cativantes, a história está muito bem construída e estou satisfeita por ter mais 3 livros em casa por ler desta mesma autora, pois fiquei fã da sua escrita.
Um óptimo livre, recheado de pormenores realistas, ideal para quem gosta de bons policiais.

Numa floresta da Dinamarca, um guarda-florestal encontra o corpo de uma mulher. Marcada por uma cicatriz no rosto, a sua identificação deveria ser fácil, mas ninguém comunicou o seu desaparecimento e não existem registos acerca desta mulher.
Passam-se quatro dias e a agente da polícia Louise Rick, chefe do Departamento de Pessoas Desaparecidas, continua sem qualquer pista. É então que decide publicar uma fotografia da misteriosa mulher. Os resultados não tardam. Agnete Eskildsen telefona para Louise afirmando reconhecer a mulher da fotografia, identificando-a como sendo Lisemette, uma das «raparigas esquecidas» de Eliselund, antiga instituição estatal para doentes mentais onde trabalhara anos antes.
Mas, quando Louise consulta os arquivos de Eliselund, descobre segredos terríveis, e a investigação ganha contornos perturbadores à medida que novos crimes são cometidos na mesma floresta.
Através de uma narrativa envolvente, vertiginosa e de forte impacto emocional, Sara Blædel não deixa o leitor descansar enquanto não chegar ao fim do livro.
Notas sobre a autora:
Sara Blaedel iniciou a sua carreira como fundadora de uma editora especializada em policiais e thrillers. Este trabalho aproximou-a do jornalismo, onde acabou por cobrir uma vasta gama de casos de polícia e julgamentos.
Foi nesta altura — e enquanto esquiava na Noruega — que começou a imaginar a trama do seu primeiro romance, Green Dust, com o qual venceu o primeiro de inúmeros prémios, o Danish Crime Academy’s Debutant Award. As Raparigas Esquecidas, publicado pela Topseller em 2016, é o seu livro mais aclamado, e foi galardoado em 2015 com o Gyldne Laurbær, o mais importante prémio literário da Dinamarca.
Com 1,8 milhões de livros vendidos na Dinamarca, a imprensa e os fãs dinamarqueses nomearam-na por quatro vezes A Rainha Dinamarquesa do Thriller. Os seus livros são bestsellers internacionais e já foram publicados em 37 países.

terça-feira, 22 de novembro de 2022

"CORAÇÕES FERIDOS"

Já tinha ouvido falar muito desta autora, mas nunca tinha oportunidade de ler nada dela.
Posso dizer que fiquei fã e que já comprei mais um livro dela, para ler assim que tiver oportunidade.
Sabem aqueles livros que começamos a ler e não conseguimos parar? Este é um desses livros...
História fascinante, personagens sofridas, com histórias tocantes, pessoas que podiam viver mesmo ao nosso lado e fazer parte do nosso círculo de amizades.
Fiquei com saudades de cada uma das personagens e com pena do livro não ser maior...
Com uma vida cheia de obstáculos, Beyah só pode contar consigo própria para alcançar um futuro melhor. Mas a poucos meses de concretizar os seus planos e deixar para trás um passado que preferia esquecer, um acontecimento inesperado obriga-a a seguir um novo rumo e procurar a única saída possível. É assim que, de um momento para o outro, se vê na Península Bolivar, no Texas, a passar os meses de verão com o pai, que mal conhece, decidida a deixar avançar os dias sem levantar grandes ondas.
Tudo muda quando conhece Samson, o vizinho da casa ao lado, que exerce sobre ela um estranho fascínio, apesar de nada terem em comum, pois ela vem de uma vida de pobreza e negligência e ele de uma família rica e privilegiada. no entanto, a convivência fá-los perceber que, apesar das suas diferenças, há uma tristeza inerente que os une e atrai.
É inegável que a ligação entre eles é intensa, mas os dois já traçaram o seu rumo e não querem perder o pé numa relação sem futuro. Só não estavam à espera de que a corrente pudesse arrastá-los para um mar profundo de emoções.
Notas sobre a autora:
Colleen Hoover é uma autora norte-americana que já atingiu o 1.º lugar no top de vendas do New York Times e comoveu muitos leitores com os seus seis livros publicados, incluindo Um Caso Perdido (Hopeless).
Colleen cresceu numa quinta, no Texas, casou-se aos 20 anos e tirou uma licenciatura em Serviço Social. Trabalhou nos Serviços de Proteção a Crianças, antes de voltar aos estudos para concluir a sua formação em Educação Especial e Nutrição Infantil.
Vive com o marido e os três filhos à beira de um lago no Texas.

sexta-feira, 18 de novembro de 2022

"SE EU FICAR"


Um livro com uma escrita bastante emotiva, baseado numa rapariga que perde os pais e o irmão num acidente de viação.
Estando em estado grave e em coma profundo no hospital, consegue "atingir outra dimensão" e assistir a tudo o que se passa com o seu internamento e com as pessoas que a rodeiam.
Haverá sempre o mito que nos faz pensar se as pessoas que estão em coma nos conseguem ouvir ou não...
Naquela manhã de Fevereiro, quando Mia, uma adolescente de dezassete anos, acorda, as suas preocupações giram à volta de decisões normais para uma rapariga da sua idade. É então que ela e a família resolvem ir dar um passeio de carro depois do pequeno-almoço e, numa questão de segundos, um grave acidente rouba-lhe todas as escolhas. Nas vinte e quatro horas que se seguem, Mia, em estado de coma, relembra a sua vida, pesa o que é verdadeiramente importante e, confrontada com o que faz com que valha mesmo a pena viver, tem de tomar a decisão mais difícil de todas.
Notas sobre a autora:
 Gayle Forman é uma autora premiada e uma jornalista cujos artigos foram já publicados na Cosmopolitan, Seventeen e Elle, entre outras revistas. Se Eu Ficar foi considerado um dos melhores livros juvenis de 2009 pela Amazon e pela Publishers Weekly e os seus direitos cinematográficos foram adquiridos pela Summit Entertainment, o estúdio que produziu Crepúsculo. Gayle Forman vive em Brooklyn com a família.

sexta-feira, 7 de outubro de 2022

"MEMÓRIAS ESQUECIDAS"

 

Tenho uma boa relação com os livros e a escrita desta autora, mas confesso que este livro se tornou algo maçador, daí talvez tenha levado tanto tempo até o terminar.
A história está bem construída, mas a partir de certo ponto a narrativa começa a "mastigar" e parece que não desenvolve, passando a ser um constante recuo ao passado.
Apenas na parte final do livro a narrativa ganha novo fôlego, o que desperta o interesse do leitor.
Esperava muito mais de Jodi Picoult, este livro deixou muito a desejar.

Delia Hopkins tinha seis anos quando o pai a deixou ser sua assistente num espetáculo de magia. " Aprendi muito nessa noite… Que as pessoas não se evaporam no ar". Uma lição que agora, já adulta, confirma todos os dias: a profissão de Delia, na verdade, é encontrar pessoas desaparecidas com a ajuda do seu cão fiel. Gosta do trabalho e também da vida que leva. Apesar de ter perdido a mãe quando ainda era criança, foi criada pelo pai com amor e agora está prestes a casar com o companheiro com quem vive há muito tempo e de quem tem uma filha. Mas, na véspera do casamento uma coisa inesperada e chocante acontece: o seu pai é preso pela polícia sob a acusação de ter raptado Delia à mãe que esta julga ter morrido num acidente de automóvel.

Numa dramática inversão de situações e de emoções, privada das suas certezas e do seu passado, Delia inicia uma busca dolorosa da verdade que lhe escapa, porque cada um tem a sua verdade, e porque às vezes amar e proteger uma pessoa também pode obrigar a mentir...
Notas sobre a autora:
Jodi Picoult nasceu e cresceu em Long Island. Estudou Inglês e Escrita Criativa na Universidade de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante. O seu espírito realista e a necessidade de pagar a renda levaram-na a ter uma série de empregos diferentes depois de se formar: trabalhou numa corretora e numa editora, foi copywriter numa agência de publicidade e professora de Inglês. Em 2003, foi galardoada com o New England Bookseller Award for Fiction.



quinta-feira, 15 de setembro de 2022

"VERDADE OU CONSEQUÊNCIA"

 

Que livro espectacular!!!
Uma verdadeira rede de casos, que aparentemente nada têm que ver uns com os outros, e que no final vão-se entrelaçar e encaixar como se fizessem parte de um puzzle.
Já tinha muitas saudades de Helen Grace, continuo a "embirrar" com Emilia Garanita e fiquei a detestar o agente Hudson.
O final é surpreendente e percebe-se perfeitamente que terá continuação, pelo que estou ansiosa pelo próximo volume...

A cidade de Southampton vê-se a braços com uma onda de crimes violentos sem precedentes. Fogo posto num ferro-velho. Um assalto a um carro que termina em tragédia. Um homicídio num dos parques da cidade. A polícia tenta alcançar respostas a todo o custo, mas, sem pistas, parece ser impossível descobrir o que liga todos estes casos.

Para a inspetora Helen Grace, no entanto, os problemas estão apenas a começar: dentro da própria esquadra, os obstáculos acumulam-se, deitando por terra qualquer avanço nas investigações, ao mesmo tempo que a pressão sobre si não para de aumentar — e quando as peças do puzzle se começam a encaixar, revelando uma hábil e perversa teia de crimes, a inspetora Grace vê-se obrigada a enfrentar algo que talvez seja impossível de travar...
Notas sobre o autor:
M. J. Arlidge é um autor bestseller do Sunday Times. Trabalha em televisão há cerca de 20 anos, tendo-se especializado em produções dramáticas de alta qualidade.
Nos últimos anos, produziu um grande número de séries criminais passadas em horário nobre na ITV, rede de televisão do Reino Unido, e criou outras também para diferentes canais de televisão britânicos e americanos.

terça-feira, 23 de agosto de 2022

"A MULHER QUE DECIDIU PASSAR UM ANO NA CAMA"

 

A famosa autora da personagem Adrian Mole, que tanto me divertiu na adolescência, desta vez traz-nos a história de uma mulher banal, que cansada dos seus deveres de mãe/esposa/dona de casa/gestora de finanças domésticas, etc, decide enfiar-se na cama durante um ano e deixar o mundo continuar a girar, sem se preocupar com nada.
Quem nunca teve vontade de fazer isto? Não ter horários nem obrigações?
O livro tem momentos bastante divertidos, mas o último terço da história torna-se algo cansativa e sem grande piada.

No dia em que os seus filhos gémeos saem de casa para ingressarem na faculdade, Eva sobe para o seu quarto, deita-se na cama e ali permanece. Durante dezassete anos quis gritar ao mundo que a deixasse em paz, e esta é finalmente a sua oportunidade. O marido, um astrónomo há oito anos a viver um caso extraconjugal, não está nada contente: afinal, quem é que lhe vai fazer o jantar ou passar as camisas? Mas, inesperadamente, as notícias da decisão de Eva espalham-se pela cidade. Centenas de fãs apoiam-na, encarando a sua recusa em sair da cama como uma ação de protesto. E, do seu estranho lugar de dependência auto-infligida, Eva começa a ver-se a si própria e ao mundo de forma muito diferente... Uma narrativa vigorosa que faz uma crítica contundente às relações familiares, num estilo pleno de humor e insight.
Notas sobre a autora:
Sue Townsend foi autora de vários livros e peças teatrais, mãe de quatro filhos, assistente social e bolseira da cadeia de televisão "Thames TV".
Quando, aos 36 anos, escreveu o Diário Secreto de Adrian Mole, jamais imaginou o sucesso que toda a série viria a alcançar, não só em Inglaterra, como em quase todos os países da Europa e até no Japão.
Para além dos 6 volumes da série Adrian Mole, publicou A Rainha e Eu e Número Dez. Morreu a 10 de abril de 2014.

terça-feira, 9 de agosto de 2022

"A CASA NA FLORESTA"

Um livro que se lê rapidamente: pela capa dá-nos logo a ideia de uma casa assombrada, e na realidade parece que é... ou não...
Todos guardam segredos e fantasmas e Neve (a personagem principal) vê-se enredada numa história de vida que nada tem a ver consigo, mas da qual não consegue escapar.
Livro com capítulos curtinhos, que se lê com avidez!

Um estranho encontro,
Um presente inesperado,
Um segredo perverso…

Numa noite gelada, ao regressar a casa, Neve Carey é abordada por uma mulher estranha e perturbada, na ponte sobre o rio Tamisa, que lhe entrega um envelope, lançando-se de seguida para as águas do rio.
Duas semanas mais tarde, numa altura em que a sua vida está cada vez mais caótica, Neve descobre que a mulher que se suicidou à sua frente lhe deixou de herança uma casa na Cornualha, o que parece ser a solução perfeita para os seus problemas.
Neve decide então mudar-se sozinha para a casa, mas, assim que lá chega, arrepende-se. Fica no meio de uma floresta sombria, tem um aspeto sinistro, com grades nas janelas, e coisas bizarras começam a acontecer. Em pouco tempo, a casa dos seus sonhos transforma-se no seu pior pesadelo. E a verdade é que esta esconde um segredo perverso… que mudará para sempre a vida de Neve.


Notas sobre a autora:
Cass Green é uma autora bestseller internacional de thrillers psicológicos.
Recebeu vários prémios literários como escritora de ficção para jovens adultos, assinando com o nome Caroline Green.
O seu primeiro thriller, The Woman Next Door, foi n.º 1 de vendas em e-book, e o segundo, A Casa na Floresta, foi bestseller do USA Today e do Sunday Times.
Cass Green é jornalista há mais de 20 anos, tendo colaborado com vários jornais e revistas.
Vive atualmente em Londres com a família.

quarta-feira, 3 de agosto de 2022

"SONHOS DE PAPEL"

Um livro de leitura simples, um romance bonito, embora não seja nada de especial.
O mistério sobre a morte de uma personagem com pouco ou nenhuma relevância serviu para alimentar quase toda a história.
A personagem Patrick, que era uma das mais promissoras, teve uma saída abrupta da trama, quando ainda tinha muito para dar.
É um livro que se lê com facilidade, mas não me encantou como eu esperava.

Josie Moraine vive mais do que uma vida.
Ela é filha de uma das prostitutas de luxo mais cobiçadas de Nova Orleães, um estigma que a arrasta para o submundo decadente da cidade. Vítima da negligência da mãe, tem nos moradores do extravagante Bairro Francês os seus maiores aliados. De Cokie, humilde e fiel; a Willie, a dona de um bordel cuja frieza esconde um coração de ouro; e a Jesse, tímido, atraente e eternamente apaixonado, todos a protegem e velam por ela.
Mas Josie sonha mais alto e move-se com igual à-vontade nos corredores da livraria onde, graças à bondade de um desconhecido, trabalha e habita. Este é o seu porto seguro. Aqui, entre as estantes repletas de livros, no pequeno escritório que agora lhe serve de quarto, não tem de se defender da sua própria mãe nem fingir ser a durona solitária que domina as ruas. Ao anoitecer, quando a porta se fecha e as luzes se apagam, ela descobre nas páginas que folheia a imensidão do mundo e anseia por uma vida melhor. Uma vida como a de Charlotte, a filha de uma família da alta sociedade, cuja amizade a inquieta a ponto de arriscar tudo, mesmo a promessa de um amor verdadeiro. E quando os seus sonhos estão prestes a realizar-se, um crime muda tudo… para sempre.

Notas sobre a autora:
Ruta Sepetys, nascida e criada em Michigan, é filha de refugiados lituanos. As nações da Lituânia, Letónia e Estónia desapareceram do mapa em 1941 e não reapareceram até 1990. Como esta é uma história raramente contada, Ruta quis dar voz a centenas de milhares de pessoas que perderam a vida durante as purgas estalinistas na região báltica. Ruta vive com a família no Tennessee.