Sugestões para oferecer ou para ler...


terça-feira, 30 de Setembro de 2008

IOGURTE CASEIRO COM PÊRAS E MEL

Agora que as crianças voltaram à escola não há desculpa para não tirarem a iogurteira da despensa e colocá-la a funcionar, pois é sempre bom que os míudos (e graúdos) comam produtos lácteos ao pequeno-almoço, e o iogurte é sempre uma boa opção.
Aproveitando que ainda tinha pêras da minha colheita, lembrei-me destes iogurtes que tinha visto na cozinha da Alegna.
O mais engraçado é que a Risonha Júnior tem a mania que não gosta de mel (embora muitas vezes o coma dissimulado sem saber) mas adorou o sabor dos iogurtes...
4 pêras
3 colheres de sopa de mel
1l de leite meio gordo
40gr de leite em pó
1 iogurte natural
4 colheres de sopa de frutose (resolvi acrescentar eu)

Descascar as pêras e partir em pedacinhos pequenos.
Numa panela caramelizar as pêras com o mel, deixar arrefecer e distribuir pelos copinhos.
Misturar o leite com o iogurte, o leite em pó e a frutose.
Encher os copinhos e levar à iogurteira no mínimo por 10 horas.
Colocar no frio durante algum tempo antes de servir.

sábado, 27 de Setembro de 2008

ATUM COM COGUMELOS

Eu adoro cogumelos e por minha vontade juntava cogumelos a tudo (eu até já fiz bacalhau à brás com cogumelos). Muitas vezes tenho que recorrer aos cogumelos enlatados, embora ache que têm um sabor algo "emborrachado".
Não há nada que se compare ao sabor e textura dos cogumelos frescos, por isso, quando vou ao mercado e vejo que os cogumelos acabaram de chegar e são fresquinhos, posso não comprar mais nada, mas trago cogumelos para casa de certeza.
Desta vez usei-os para fazer companhia a uns bifes de atum que andavam no congelador.
Num tacho fiz um refogado com cebola em meias luas, alho picado, sal, pimenta, noz moscada, azeite e um pouco de margarina.
Juntei polpa de tomate e vinho branco, deixei apurar e adicionei os bifes de atum, cogumelos frescos cortados em quatro partes, deixando cozinhar lentamente, mexendo de vez em quando e virando os bifes para cozinharem por igual.
A meio da cozedura juntei 1/2 cálice de vinho do Porto e rectifiquei os temperos.
Quando o atum já estava cozinhado juntei o sumo de 1/2 limão e um raminho de hortelã para aromatizar.
Apaguei o lume e tapei o tacho, deixando repousar por 5 minutos para apurar os sabores.
Acompanhei com arroz de cenoura.

sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

PIMENTOS RECHEADOS

Este ano, para além dos figos e das pêras, a minha horta também produziu uma boa safra de pimentos.
Gostamos muito de os usar grelhados e cortados às tiras nas saladas (embora por vezes se torne um pouco indigesto, mas graças a Deus eu não sofro desse mal).
Também costumo cortá-los em tirinhas e congelo-os, pois desta forma estão sempre prontos para usar em refogados ou estufados.
Mas desta vez resolvi fazé-los de uma maneira que gosto muito de os comer: recheados.
Ficaram deliciosos mas, devido ao facto de serem tão tenros, ficaram um pouco "descambados" ao sair do forno, assim a modos que a se deitarem uns em cima dos outros.
Lavei os pimentos, cortei-lhes uma tampa na parte superior, retirei as sementes e filamentos brancos e coloquei a escorrer.
Para o recheio coloquei num tacho uma cebola pequena picada, 3 dentes de alho laminados, pimenta, azeite, um pouco de margarina, polpa de tomate, vinho branco, 150gr de carne de porco picada e 200gr de fiambre de perú, também picado.
Levei ao lume a refogar e juntei 4 colheres de sopa de milho doce e 1 lata de cogumelos laminados. Deixei apurar bem.
Recheei os pimentos e coloquei-os numa assadeira untada com um fiozinho de azeite.
Cobri com (muito) queijo ralado e levei ao forno a 200º por meia hora (20 minutos tinham sido suficientes). Servi de seguida.
Olha o pimento biológico da horta da Risonha!!!

quinta-feira, 25 de Setembro de 2008

SALAME DA MINHA INFÂNCIA...

A Mari do Vanilla Bistro desafiou-me para uma brincadeira que eu achei muito gira e cujas regras são as seguintes:
Albúm de figurinha - Colocar o selinho da brincadeira no post
Hora do Recreio - Contar qual era a melhor brincadeira de criança da sua infância
Brincando de Casinha, ou melhor, de Cozinha - Escrever a receita que fazia o maior sucesso na sua infância
Passa passa 3 vezes - Escolher 3 blogs e chamar as amigas (ou os amigos) para brincar
Telefone sem fio - Informar para os blogs escolhidos sobre o desafio que mais parece uma brincadeira de criança...
Hora do Recreio:
A minha melhor brincadeira de infância??? Olhem, nem sei... o que eu vos posso confessar é que na minha infância eu brincava apenas com rapazes, pois na minha rua eu era a única menina.
Por isso sempre me lembro de jogar à bola, brincar com bonequinhos guerreiros, barquinhos de pirata, etc, com os amigos da minha rua (que ainda hoje se mantêm meus amigos): o Mário e o Rui. Eles por vezes "massacravam-me" um bocado, pois sempre fui (e sou) uma medrosa com bichos e de vez em quando lembravam-se de brincar com aranhas, gafanhotos, etc.
Só por volta dos meus 10/11 anos é que veio viver uma menina para a minha rua e aí então é que comecei mais a brincar com bonecas, a jogar ao elástico, etc.
Curiosamente aprendi a andar de bicicleta muito tarde, pois era muito medrosa e tinha sempre medo de cair... ainda hoje não gosto de andar de bicicleta.

Brincando de Casinha, ou melhor, de Cozinha:
Há muitas receitas que fazem parte da minha infância, nomeadamente um empadão de carne que uma tia minha (que infelizmente já faleceu) fazia e que tinha um sabor que eu não consegui encontrar até hoje.
Também gostava muito dos pitéus que o meu pai cozinhava: as
lapas, a massada de couve, o polvo frito, a tomatada, a açorda, etc (tudo receitas que já postei aqui no meu cantinho).
Mas há uma receita que a minha mãe fazia e que eu adorava, uma receita que toda a gente conhece mas que tem várias versões: o salame.
Não podia haver Natal ou festa de aniversário sem salame na mesa. Por isso hoje aqui deixo a receita que roubei do velho caderno de receitas da minha mãe e que é a que faço sempre cá em casa. E conto sempre com a ajuda da Risonha Júnior, que adora partir as bolachas e no final raspar a tigela, igualzinho ao que eu fazia com a minha mãe.
Quem sai aos seus... LOL!
200gr de açucar
200gr de chocolate em pó
250gr de bolacha maria
125gr de manteiga
4 gemas

Numa tigela misturar o açucar com o chocolate em pó. Juntar a manteiga derretida e as gemas, uma a uma, envolvendo bem com a colher de pau.
Por fim juntar as bolachas partidas em pedaços e envolver bem.
Deitar a massa sobre papel de alumínio, dar a forma de rolo e levar ao frio até solidificar (para este salame forrei uma forma de bolo inglês com papel de alumínio, para que as fatias ficassem com um formato rectangular).
Retirar do frio, partir em fatias e servir.

Passa pasa 3 vezes:
* Quero passar para a Winnie, pois tenho a certeza que destrambelhada como ela é deve ter alguma história engraçada para contar.
* Para a
Belinha, que é um doce de pessoa e aposto que deve ter uma receita secreta da sua infância para partilhar conosco.
* Para a
Sarita, que é uma pessoa muito divertida e deve ter sido uma criança muito alegre.

Ah.... e se quiserem uma fatia de salame estejam à vontade e sirvam-se!

quarta-feira, 24 de Setembro de 2008

BORREGO NA PRESSÃO

Borrego é uma carne muito apreciada cá em casa, especialmente pelo meu marido, ou não fosse ele descendente de alentejanos.
Na casa da minha sogra borrego sempre foi um alimento muito consumido e eu não o faço mais vezes porque a minha mãe não aprecia (aliás, nem pode com o cheiro).
Um destes dias fui ao talho e a carne de borrego tinha acabado de chegar. Estava com um aspecto tão fresco que não resisti.
Cheguei a casa, tirei a panela de pressão do armário e toca a cozinhar...
Na panela de pressão coloquei uma cebola em meias luas, 2 dentes de alho picados, 3 tomates maduros em pedaços, sal, pimenta, noz moscada, um cravinho, margarina, azeite e um copo de vinho branco.
Deixei apurar bem o refogado e juntei a carne de borrego e 2 cenouras em rodelas.
Deixei ferver, envolvendo bem até a carne perder a côr de crua.
Deitei um gole de vinho do Porto e um pouco de água, tapei a panela e deixei ao lume por 30 minutos, a partir do momento em que começou a pressão.
Retirei a pressão da panela (coloco sempre a panela debaixo de água fria), abri e deixei ferver mais uns minutos para apurar o molho.
Aromatizei com um raminho de hortelã e acompanhei com esparguete.
Querem almoçar conosco?

terça-feira, 23 de Setembro de 2008

PASTÉIS NEGROS

Eu adoro bolinhos pequenos, vocês já sabem disso... e sempre que vejo uma receita de pastéis, queques, queijadas, muffins, etc, tomo nota num caderno que tenho para esse efeito.
Quando vi
esta receita da Flosinha fiquei logo a babar pelo facto de os pastéis levarem amêndoa, pois acho que é um ingrediente que dá um sabor óptimo aos bolos.
Mas no dia em que me decidi a fazê-los é que vi que não tinha amêndoa suficiente em casa.
Pensam que me atrapalhei ou baixei os braços? Adulterei a receita da Flosinha mas os pastéis saíram na mesma...
500gr de açucar
250gr de amêndoa ralada com pele (usei 200gr de miolo de avelã e 50gr de miolo de amêndoa)
1 colher de chá de canela (pus 2 colheres)
1 colher de sopa de manteiga amolecida
4 ovos

Ligar o forno a 180º. Colocar o açucar numa tigela e acrescentar a amêndoa ralada, a canela, a manteiga amolecida e os ovos.
Bater até ficar muito bem misturado.
Colocar formas de papel dentro de formas de queques (usei formas de mini-queques em silicone, untadas com óleo), encher até 2/3 da capacidade e levar ao forno 15 minutos (os meus ficaram 20 minutos).
Servir mornos ou frios.
Nota: não sei se repararam mas esta receita é fantástica para quem não tem pachorra para estar a untar formas. Ainda por cima a massa é super fácil de fazer, pois é batido tudo junto.
O miolo de avelã em substituição do miolo de amêndoa foi um sucesso.

sábado, 20 de Setembro de 2008

IOGURTE DE OREOS

Quem é a criança que não gosta de bolachas Oreo? Será que há alguma?
É que se houver deve ser caso raro, pois estas bolachas são muito apreciadas pelos míudos, e até pelos graúdos, que fazem sempre uma "boquinha" para comer uma bolacha quando os filhos comem (eu pelo menos faço sempre... eh eh eh!).
Como voltou a saga da iogurteira e dos iogurtes feitos em casa, e como a minha filha adora bolachas Oreo e gosta de comer iogurtes ao pequeno-almoço, resolvi juntar os dois gostos e preparei estes iogurtes. Uma boa opção para o início dos dias de aulas, agora que os míudos regressaram à escola.
12 bolachas Oreo
1l de leite meio gordo
1 iogurte natural
3 colheres de sopa de leite em pó

Triturar as bolachas até ficarem em pó e distribuir pelos copinhos de iogurte.
Misturar o leite com o iogurte natural e o leite em pó, mexendo bem com uma vara de arames para que fique sem grumos.
Deitar nos copinhos e levar à iogurteira, no mínimo por 10 horas.
Retirar e colocar no frigorífico algumas horas antes de servir.
Segundo a minha "papa-iogurtes" ficaram muito cremosos e uma verdadeira delícia. Acho que o aspecto fala por si....
Quero ainda agradecer à Téia do blog Banquetes e Lanchinhos que me presenteou com mais um selo para o meu blog, ainda por cima um selo de ouro.
Só agora me dou conta que já tenho muito ouro aqui na cozinha... qualquer dia sou assaltada. Acho que vou ter que comprar um cofre para guardar esta fortuna e contratar um segurança... LOL!

Obrigado Téia, foi um prazer e uma honra receber este selo da tua parte, ainda por cima de uma pessoa que tem um sorriso tão lindo como tu (reparem bem que o sorriso dela ilumina o nosso dia).
Sei que deveria passar o selo para 15 blogs, mas cada vez se torna mais difícil estar a escolher uns e a excluir outros. Para mim todos merecem esta distinçã, por isso peço aos visitantes que passarem por cá que me façam um favor: copiem o selo e colem nos vossos blogs, ok?
Beijos e bom fim de semana para todos.

sexta-feira, 19 de Setembro de 2008

LOMBOS DE PESCADA COM MOZZARELLA E OREGÃOS

Os lombos de pescada são das melhores coisas que inventaram: não é preciso arranjar, não tem escamas, não tem espinhas, vêm embalados individualmente de modo a que seja mais fácil doseá-los, etc. Em resumo, são uns óptimos aliados para as donas de casa que trabalham e que por vezes não têm tempo para ir à peixaria nem podem estar a perder muito tempo na cozinha.
Há algum tempo atrás, ao percorrer alguns dos blogs que gosto de visitar encontrei esta receita da Flor de Sal. Tratei de a anotar imediatamente e num dia em que o tempo para estar na cozinha era escasso pus a receita em prática.
Cozer os lombos de pescada com um caldo de marisco (cozi em água com um caldo knorr de peixe). Deixar escorrer.
Depois polvilhar os lombos com oregãos e embrulhar, primeiro com uma fatia de fiambre, bacon, chourição, etc (usei uma fatia de presunto) e depois com uma fatia de queijo mozzarella.
Voltar a polvilhar com oregãos e regar com um pequeno fio de azeite.
Levar ao forno para derreter um pouco a mozzarella.
Acompanhei com salada de cenoura e arroz selvagem. Uma refeição prática, rápida e muito fácil de fazer.
Nota: as minhas "cobaias" acharam que os lombos ficaram um pouco secos, talvez pelo facto de os mesmos serem um pouco grossos.
Para a próxima acho que cortarei os lombos ao meio, no sentido longitudinal e talvez coloque mais uma fatia de queijo, pois o sabor do queijo derretido com o peixe e os oregãos é óptimo.

quinta-feira, 18 de Setembro de 2008

MUFFINS DE IOGURTE COM SEMENTES DE PAPOILA

Adorei quando a Migas publicou esta receita.. se há coisa que me encanta são muffins, queijadas e todo o tipo de bolos pequenos. Só não os faço mais vezes porque dá-me a sensação que desaparecem mais depressa... LOL!
Adiante... a Migas teve a excelente ideia de adaptar a receita básica de bolo de iogurte (que toda a gente conhece) a uns bolinhos pequenos, acrescentando ainda as sementes de papoila, que é coisa que agora está muito "fashion".
Tenho esta receita anotada há meses (se repararem a publicação dela é de Fevereiro) mas assim que vi que a Cris lançou um novo desafio para o Chá da Tarde, cujo tema é muffins e cupcakes pensei
"Vou matar dois coelhos com uma cajadada só: experimento a receita da Migas e participo no desafio."
3 ovos
1 iogurte de aroma à escolha (usei iogurte de soja com aroma de frutos silvestres)
sumo de 1/2 limão
3 copos de iogurte de farinha
3 copos de iogurte de açucar
1 copo de iogurte de óleo
1 colher de sopa bem cheia de sementes de papoila
2 colheres de sopa de fermento
Pré-aquecer o forno a 180º. Bater os ovos com o açucar, o óleo e o iogurte até ficar uma mistura fofa. Juntar o sumo de limão e misturar.
Acrescentar a farinha previamente misturada com o fermento e envolver delicadamente. Acrescentar as sementes de papoila.
Encher as formas de muffins (usei formas de silicones untadas com óleo) até 3/4 da altura e levar ao forno por 12 minutos, fazendo o teste do palito para verificar se estão cozidos (os meus ficaram 20 minutos).
Retirar do forno, deixar arrefecer e desenformar. Se acompanharem com um licor de café sabem mesmo bem...
Nota: as minhas formas dão para fazer uns muffins grandes, como podem ver pelas fotos. E mesmo assim esta receita rendeu-me 16 muffins, para grande alegria da minha filha que os adorou.
O iogurte de frutos silvestres dá um aroma muito agradável a estes bolinhos.
Migas, uma vez mais obrigado pela excelente receita.

quarta-feira, 17 de Setembro de 2008

LIVRO "PÁSSAROS FERIDOS"

É com grande orgulho que digo que faço parte da Academia dos Livros, onde fui carinhosamente inserida pela Ameixa.
Como ler é um dos meus passatempos preferidos, tinha mesmo que fazer parte desta academia maravilhosa.
Venho dar-vos a conhecer o livro que acabei de ler ontem à noite e que achei maravilhoso.

Não sei se se lembram da série "Pássaros Feridos", passada entre nós no ano de 1983, protagonizada por Richard Chamberlain (no papel de Ralph de Bricassart) e Rachel Ward (no papel de Maggie Carson). Lembro-me de ser míuda e toda a gente lá em casa gostar de ver esta série.
Passados mais de 20 anos tive oportunidade de ler o livro e aconselho-o vivamente a toda a gente, pois é um tipo de leitura que nos prende até à última página.

"Pássaros Feridos" de Colleen McCullough
"Existe uma lenda acerca de um pássaro que só canta uma vez na vida, com mais suavidade do que qualquer outra criatura sobre a Terra. A partir do momento em que deixa o ninho, começa a procurar um espinheiro, e só descansa quando o encontra. Depois, cantando entre os galhos selvagens, empala-se no acúleo mais agudo e mais comprido. E, morrendo, sublima a própria agonia e solta um canto mais belo que o da cotovia e o do rouxinol. Um canto superlativo, cujo preço é a existência..."

Esta é a tortuosa história de dois pássaros feridos: a vida de Ralph de Bricassart, um ambicioso sacerdote católico com o coração dividido entre o seu amor espiritual por Deus e pela carreira eclesiástica e a sua irrefreável paixão terrena pela sua jovem paroquiana Meggie Carson.
Ralph de Bricassart tenta ultrapassar a sua paixão por Meggie e chega a cardeal, nunca esquecendo no entanto o amor que sentia pela jovem e nem sequer tendo conhecimento que ambos têm um filho em comum, Dane, que também segue a vida religiosa e chega a ser ordenado padre.

Meggie, Ralph, Paddy, Luke, Fee, Dane, Justine, Rainer, Patsy, Jims, Bob, Jack... e mais uma infinidade de personagens que têem como centro a fazenda de Drogheda, situada na Austrália.
Não deixem de ler este livro pois vale mesmo a pena.

Nota sobre a autora: Colleen McCullough nasceu em 1937 em Wellington, Austrália.
Catedrática de Neurologia na Universidade de Yale, a sua carreira como escritora teve início quando já era uma profissional destacada da Neurologia. Pássaros Feridos (1977) granjeou-lhe um enorme êxito internacional. É autora de vários romances românticos, bem como de um ciclo de romances ambientados na Roma antiga, pelo que lhe foi concedido em 1993 um doutoramento honoris causa em História.
E já agora.. visitem a Academia dos Livros e façam-se sócios. Não se esqueçam que a leitura é o alimento da alma.

FLAN DE CURGETTES RALADAS

Uma das cozinhas que mais me serve de inspiração é a cozinha da Elvira.
Aquele cantinho é maravilhoso, tem um pouco de tudo, desde salgados a doces, refeições simples ou mais elaboradas, carne ou peixe, frutas ou legumes.. aposto com vocês que se precisarem de uma receita, seja qual fôr o ingrediente a utilizar, na cozinha da Elvira encontram sempre algo que gostem.
Eu, desde que vi este flan com curgettes fiquei literalmente a babar e tive que fazê-lo assim que me foi possível.
Elvira... o que posso dizer? Adorei a receita, embora tenha usado uma coisa que tu abomines: natas de soja... eh eh eh!

2 curgettes
1 colher de sopa de azeite
sal e pimenta q.b.
2 ovos grandes
100ml de natas (usei natas de soja)
50gr de queijo emmental ralado em fios
ervas de Provence q.b.
Ligar o forno a 180º. Lavar as curgettes e eliminar as pontas. Ralar com o ralador grosso.
Aquecer o azeite numa frigideira. Juntar as curgettes e refogar até ficarem macias e não restar quase líquido nenhum na frigideira. Temperar com sal e pimenta. Retirar do lume e reservar.
Bater os ovos com as natas. Adicionar o queijo ralado e ervas de Provence a gosto. Juntar as curgettes e misturar muito bem.
Transferir o preparado para uma assadeira/forma não muito grande ou para ramequins individuais (usei uma forma de bolo inglês).
Levar ao forno por 15 a 20 minutos, a 180º, ou até o flan de apresentar dourado.
Retirar do forno e deixar repousar 5 minutos antes de servir.
Eu optei por decorar o meu com rodelas de beterraba e comi acompanhado de uma salada verde.
E vocês? Como preferem?

terça-feira, 16 de Setembro de 2008

TARTE TATIN DE FIGOS

Mais uma atitude de desespero para me ver livre do excesso de figos que as figueiras continuam a produzir... acho que só me falta fazer compota de figo, mas sinceramente tenho estado a evitar pois já sei que se fizer compota ela não durará muito tempo cá em casa.
Estão a aproximar-se os dias frios em que apetece lanchar um chá quentinho e umas bolachas com doce... lá começa o pneu a insuflar outra vez e a dieta vai por água abaixo.
Por isso lá fui procurar uma receita onde usar os figos e encontrei esta na revista "Ementa da Semana" nr. 102.
Normalmente a tarte tatin costuma ser feita com maçãs, mas esta é bastante original por ser feita com figos. Podem ler aqui ou aqui mais detalhes sobre a tarte tatin original.
1kg de figos frescos
250gr de massa folhada
75gr de manteiga
75gr de açucar

Lave e enxugue os figos e corte-os em 4 gomos cada. Coloque a manteiga numa forma de tarte, leve ao lume e deixe derreter (eu coloquei a tarteira no microondas por 1 minuto).
Junte depois o açucar e mexa. Retire do lume e disponha os figos dentro da forma.
Estenda a massa folhada e corte um disco de massa um pouco maior do que a forma.
Cubra os figos com esse disco de massa, de modo a que o bordo da massa fique dentro da forma, pressionando um pouco para que a massa adira aos figos.
Pique depois a massa com a ponta de uma faca. Leve ao forno (pré-aquecido) a 180º cerca de 35 minutos (eu deixei 45 minutos).
Retire e vire imediatamente a tarte sobre um prato. Sirva morna e se quiser acompanhe com uma bola de gelado ou natas batidas.
Nota: Quando se tira do forno a parte inferior da tarte parece estar muito aguada, mas depois de arrefecer um pouco fica mais caramelizada.
A nossa foi servida bem fresca e sem mais nada a acompanhar. É uma tarte diferente mas não é das melhores coisas que já comi...

sábado, 13 de Setembro de 2008

MANIAS? EU????

A Sara lançou-me um desafio para que eu conte 5 manias da minha pessoa...
Ainda bem que são só 5... é que eu sou uma pessoa cheia de taras e manias (sou eu e a música do Marco Paulo).
Ora então algumas das minhas nóias são as seguintes:
1ª - Tenho a (péssima) mania de roer as unhas.
2ª - Tenho a mania de fazer bigodes e arabescos nas figuras das revistas (não sei se já tinham reparado)
3ª - Tenho a mania que o café só me sabe bem se o beber sentada
4ª - Tenho a mania de beber sempre uma chávena de chá antes de dormir, seja Verão ou Inverno
5ª - Tenho a mania de andar sempre a ler anedotas e, se alguma me cai em graça, levo 15 dias a rir da mesma coisa

Eu avisei que era uma pessoa estranha!!! Quem teve coragem de ler as minhas manias até ao fim e, curiosamente, conseguiu resistir sem desmaiar, fique sabendo que agora tenho que passar este desafio para 5 pessoas.
Então cá vai:

Winnie

Laurinha

Isabel

Natércia

Fatusca

Sempre quero ver se têm manias mais estranhas que as minhas....

BATIDO DE FRUTA E SOJA

Uma coisinha simples para o pequeno-almoço (ou lanche) do fim de semana.
Qualquer nutricionista recomenda um pequeno-almoço completo e equilibrado, onde figure a fruta, produtos lácteos, fibras e hidratos de carbono.
Decidi preparar um batido bastante saudável para começar o dia cheia de energia.
Não sei é se os nutricionistas recomendam o café, mas eu não posso passar sem ele... eh eh eh!
1 rodela de ananás
1 kiwi
2 morangos
1 copo de leite de soja (200ml)
1 iogurte de soja (aroma de morango)
1 colher de chá de sementes de linhaça castanha
1 colher de sopa de farelo de trigo

Colocar tudo no liquidificador e bater durante alguns minutos. Se achar que está muito espesso deverá adicionar mais um pouco de leite.
Acompanhar com pão integral com sementes, generosamente coberto com rodelas de queijo fresco e uma chávena de café acabado de fazer.
Está pronto... podem puxar uma cadeira e sentarem-se à mesa...
Nota: depois deste trabalho todo, livrem-se vocês de saírem de casa sem tomar o pequeno-almoço!!!

sexta-feira, 12 de Setembro de 2008

LOMBO DE PORCO COM AMEIXAS

Este é um prato sobejamente conhecido e que eu aprecio muito. Já o tinha comido diversas vezes em restaurantes mas nunca me tinha aventurado a fazê-lo em casa.
Já que tinha uma peça de lombo de porco em casa e umas belas ameixas que tinha comprado ao Tio Zé, resolvi confeccioná-lo desta forma.
Não segui nenhuma receita em especial, fiz à minha maneira, por isso nem sei se será o modo correcto de confeccionar lombo de porco com ameixas.
A refeição tornou-se uma festa, tudo porque a Risonha Júnior, depois de ver o lombo fatiado, levou todo o almoço a rir e a dizer que o prato tinha cara de extra-terrestre.
As coisas que uma cozinheira tem que ouvir....
Usar um pedaço de lombo com cerca de 1kg e com uma faca ou com o cabo de uma colher de pau perfurá-lo de um lado ao outro no sentido longitudinal, recheando as cavidades com ameixas secas descaroçadas. Atar com um fio de cozinha para não perder a forma.
Colocar na picadora 3 dentes de alho, 1 colher de sopa de massa de pimentão, 1/2 colher de sopa de colorau, 1 colher de sopa de azeite, 3 colheres de sopa de vinho branco e uma pitada de sal e pimenta.
Picar tudo até obter uma pasta e barrar o lombo, de modo a que fique bem envolvido. Deixar marinar por algumas horas (o meu ficou toda a noite).
Colocar rodelas de cebola e um fio de azeite no fundo de um tabuleiro, colocar o lombo e por cima dispôr nozinhas de manteiga.
Levar a forno quente por 40 a 50 minutos (se necessário adicionar mais um pouco de vinho branco). Fatiar o lombo e servir acompanhado a gosto.
Este ficou mesmo como nós gostamos: bem corado por fora e branquinho e suculento por dentro.
Nota: qualquer semelhança entre o lombo e o extra-terrestre é pura coincidência, pois a intenção não era essa... LOL!